Nos acompanhe

Artigos

O que será que está acontecendo com o grupo Cunha Lima?

Publicado

em

* Por Josival Pereira

Rádios, portais, blogs e redes sociais estão repletos de notas sobre uma supostamente intensa movimentação política em Campina Grande. São informações sobre candidaturas, insatisfações e também sobre possíveis migrações partidárias.

Chama a atenção uma perspectiva um tanto inusitada: o grupo Cunha Lima pode se dividir em três partidos. O núcleo familiar do ex-governador Cássio Cunha Lima permanece no PSDB, Romero Rodrigues está no PSD e o prefeito Bruno Cunha Lima recebeu convite do ex-prefeito ACM Neto (Salvador) para se filiar ao partido fruto da fusão do DEM com o PSL.

Bruno não manifestou qualquer intenção, mas o fato de sua presença no evento de filiação do prefeito Miguel Coelho (Petrolina-PE) ao DEM, em Recife, está servindo de combustível para as especulações.

O que estaria ocorrendo com o grupo Cunha Lima outrora tão unido alí no velho PMDB e depois no ninho tucano?

O deputado Pedro Cunha Lima não aceita o verbo dividir para a conjugação dos fatos. Ao contrário. Além de negar fissuras, ele avalia o fato de integrantes do grupo Cunha Lima estarem sendo chamados a liderar outros partidos como uma demonstração de força política em Campina Grande e na Paraíba. Assim, o grupo não estaria dividido, mas repartido em legendas diferentes.

Há controvérsias em relação à avaliação de Pedro. Observadores da cena política campinense enxergam fadiga no relacionamento entre os subgrupos da família, com perspectiva concreta de esgarçamento da unidade, sobretudo, em razão da possível distribuição de sacrifício em papéis a serem exercidos na campanha de 2022.

Uma terceira hipótese, no entanto, pode ser a mais apropriada para explicar o afrouxamento na convivência e unidade do grupo Cunha Lima: a ausência de uma liderança capaz de dar liga e catalisar as ações do clã, papel exercido por Ivandro Cunha Lima, por Ronaldo e mais recentemente por Cássio, quando era governador ou senador.

Na verdade, talvez um pouco mais do que isso: o problema estaria na disputa interna para o exercício efetivo dessa liderança entre os vários quadros do grupo. Disputa das grandes.

Continue Lendo

Artigos

Será que o Congresso aprova os crimes de distribuição de notícias falsas e o de extermínio?

Publicado

em

* Por Josival Pereira

Existe uma forte expectativa em torno do relatório CPI da Pandemia no Senado a ser apresentado e discutido esta semana.

Por antecipação, tenta-se saber os nomes indiciados, mas, sobretudo, os crimes que serão imputados ao presidente Jair Bolsonaro, filhos e ministros. O relator da CPI, senador Renan Calheiros, até facilitou, antecipando várias das conclusões das investigações.

Discute-se, como sempre, se a CPI acabará em pizza ou não. Pelo visto, o relatório vai apresentar resultados robustos e documentos de provas substanciais. Não se sabe ainda se conseguirá estabelecer exata conexão entre o que foi apurado e a enorme lista de indiciados.

Restará também saber se a Procuradoria-Geral da República (PGR) encaminhará as denúncias recomendadas, embora o procurador-geral Augusto Aras já tenha antecipado que adotará todas as providências que a Constituição e a legislação em vigor determinam.

Seja como for, há uma parte do relatório que tende a produzir resultados em qualquer circunstância. E resultados positivos para o Brasil. Trata-se da parte que vai apresentar 17 propostas de mudanças na Constituição ou projetos de leis. Pelas regras, as propostas não passam pelas comissões e vão direto para o plenário do Senado. Obrigatoriamente, vai mobilizar o Congresso e gerar discussão. Melhor se envolver a sociedade.

Entre as propostas, duas são de instituições de novos crimes – o de distribuição de notícias falsas (fake news) e o de extermínio. Muito consentâneo com a realidade. As notícias falsas são um perigo. Não apenas as que atentam contra a democracia. As redes sociais estão entupidas de notícias falsas sobre medicamentos, tratamentos para doenças, serviços, comércio, etc. Enganam e podem matar. Isso precisa ser estancado. O crime de extermínio chega tarde, mas ainda parece bastante necessário, especialmente para a proteção de minorias e balizar a atuação de governantes em casos de pandemia.

A CPI vai propor também uma mudança na Constituição para fixar prazos para análise de denúncias de crimes de responsabilidade contra o presidente da República, ministros e outras autoridades, além de leis para impedir que os serviços públicos de saúde (SUS) adotem tratamento sem eficácia, regras para impedir que operadores de saúde interfiram nos tratamentos oferecidos aos pacientes, como ocorreu nos hospitais da Prevent Senior, e até a criação de uma pensão especial para crianças e adolescentes órfãos de vítimas da pandemia.

Já é alguma coisa.  O problema vai ser fazer o Congresso aprovar.

Continue Lendo

Artigos

De coerência e “ismos”

Publicado

em

Nesses tempos em que o jornalismo no Brasil permeia para outras lamentáveis variações de “ismos”, chegando a ponto de termos o jornalismo bolsonarista e o lulista/petista, até mesmo uma declaração óbvia de um prefeito vira pauta para polêmicas estéreis.

Bruno Cunha Lima foi perguntado ontem se receberia, como prefeito, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Campina Grande, neste momento. Disse que, do ponto de vista institucional, não via sentido nisso, porque naturalmente a pauta do petista na cidade só teria um objetivo: pré-campanha ao Palácio do Planalto.

E se no caso fosse uma visita do presidente Jair Bolsonaro? Se fosse uma pauta institucional, de interesse do Município, e não da agendas dos partidos ou candidaturas, logicamente ele receberia. Até por ser uma imposição inerente ao cargo para o qual foi eleito. Trair esse princípio republicano seria não dignificar a confiança do povo campinense nele como gestor.

A mesma coerência em relação a esse princípio óbvio foi aplicada por Bruno no último dia 14 de agosto, quando cumpriu agenda em Campina Grande o governador Eduardo Leite (RS), pré-candidato do PSDB à Presidência da República. O deputado federal tucano Pedro Cunha Lima, aliado político até no DNA, por cortesia, convidou o prefeito, mas recebeu a mesma resposta.

A depender de parte da imprensa paraibana, coerência é motivo para críticas, censuras e repúdio, a depender do “ismo” a que esteja ligada. Lamentável.

Continue Lendo

Artigos

Águas do São Francisco vão chegar ao Sertão ainda em outubro

Publicado

em

* Por Josival Pereira

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, garantiu que a última etapa do projeto original de transposição das águas do Rio São Francisco – um canal de seis quilômetros ligando a barragem Caiçara ao açude Boqueirão de Piranhas, na região de Cajazeiras, será concluída ainda neste mês de outubro.

A obra da transposição foi iniciada há 17 anos. O trecho mais atrasado é o Eixo Norte, que prevê a distribuição de águas para os Estados do Ceará, Paraíba e Rio Grande. Na verdade, faltava a conclusão da canal para levar águas para o açude Boqueirão de Piranhas (Engenheiro Ávidos), na região de Cajazeiras, permitindo a chegada das águas ao Rio Grande do Norte, através do Rio Piranhas.

O trecho do Eixo Norte na Paraíba, em Boa Vista, no município de São José de Piranhas, foi visitado pelo então presidente Lula em duas oportunidades, uma delas alguns dias antes de deixar o governo.

Águas de outubro

O deputado Jeová Campos, que se encontra em Brasília, revelou, nesta terça-feira, que as águas do São Francisco vão começar a chegar na Paraíba ainda neste mês de outubro. Ele recebeu a garantia do próprio ministro Rogério Marinho, que o recebeu em audiência na última quarta-feira.

As águas vão começar a encher a barragem da Boa Vista, que fica localizada logo após o túnel de Cuncas (foto), que permite a passagem do canal da transposição através de uma serra que separa a Paraíba do Estado do Ceará. Quando estiver com 80% de sua capacidade, a barragem de Boa Vista começa a transbordar as águas para a barragem de Caiçara, através de um canal, e de lá a transposição atinge o açude Boqueirão de Piranhas, o que permitirá a liberação das águas para o Rio Grande do Norte.

Nova fase

O ministro Rogério Marinho informou que, após a conclusão do último canal da transposição, em Cajazeiras, o Ministério da Integração inicia uma nova fase do projeto, que prevê a desobstrução e desassoreamento do Rio Piranhas, a recuperação da bacia do São Francisco e o início de novos ramais, a exemplo da ligação da barragem de Caiçara à Chapada do Apodi, no Rio Grande do Norte, e o canal do Piancó.

Continue Lendo