Nos acompanhe

Artigos

Deputados avaliam que RC teria hoje apenas cinco ou seis votos a favor de suas contas na Assembleia

Publicado

em

Deputados mais experientes e que têm domínio da cena legislativa avaliam que apenas por milagre o ex-governador Ricardo Coutinho se livraria de reprovação de suas contas durante votação na Assembleia Legislativa.

O ex-governador tem duas contas já julgadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), ambas com pareceres pela reprovação, para serem analisadas pela Assembleia. Pela lei, o TCE elabora pareceres, com aprovação ou rejeição, e depois encaminha ao Legislativo, que é quem faz o julgamento final.

Na verdade, vários deputados consultados avaliam que, hoje, as contas do ex-governador Ricardo Coutinho teriam no máximo cinco ou seis votos contra os pareceres do TCE, ou seja, pela aprovação das contas, e 30 ou 31 votos mantendo a reprovação.

Estima-se que os parlamentares que exercem o primeiro mandato não devem votar a favor de Ricardo, assim como os deputados de oposição. Outros integraram a bancada ricardista quando ele era governador, mas não criaram vínculo político. Estes estão na bancada de apoio ao governador João Azevedo. Os votos a favor seriam apenas daqueles deputados que tinham ou ainda têm militância política mais próxima com ele ou que estabeleceram relações mais diretas durante o governo.

A reprovação das duas contas (exercícios de 2016 e 2917) de Ricardo na Assembleia geram duas novas inelegibilidades eleitorais, impedindo-o legalmente de disputar as eleições de 2022, se forem votadas antes do prazo para registro de candidaturas. Para tornar as decisões sem efeito, o ex-governador teria que conseguir decisões favoráveis na Justiça comum.

O ex-governador socialista já tem uma inelegibilidade eleitoral decretada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em julgamento de recurso de ação de investigação eleitoral da campanha de 2014.

Continue Lendo

Artigos

Bolsonaro não quer o voto impresso

Publicado

em

* Por Josival Pereira

O presidente Jair Bolsonaro não quer o voto impresso. Se quisesse, não faria o que está fazendo.

As falas do presidente e as manifestações em defesa do voto auditável, como eles denominam, têm sido encaminhados para o endereço errado, que é a Justiça Eleitoral ou mais diretamente ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso. Às vezes, com cópia ao Supremo Tribunal Federal (STF).

É certo que o ministro Barroso é contrário à acoplagem de impressoras às urnas eletrônicas. É igualmente verdade que os ministros do TSE e do STF também são contra. Mas o TSE, o STF e todos os ministros juntos não têm poder para implantar o voto impresso. E o presidente Bolsonaro tem plena consciência disso.

O voto impresso, auditável, democrático, como queiram chamar, somente poderá ser implantado através de aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição, a famosa PEC, no Congresso Nacional (Câmara e Senado).

Em 2015, o voto impresso foi aprovado numa lei que instituiu uma reforma eleitoral, mas o dispositivo foi considerado inconstitucional pelo STF em 2018. A justificativa é mais longa, mas um dos argumentos foi o de que precisaria ser incluído na Constituição.

Deste modo, se o presidente Bolsonaro quer o voto impresso, deveria primeiro voltar todos seus esforços para convencer o Congresso a aprovar a emenda à Constituição. Por que o governo não mobiliza sua ampla maioria na Câmara dos Deputados para aprovar a PEC do voto impresso? Cadê o centrão? Por que a pressão não é sobre os deputados? Por que os protestos não são contra a Câmara. Estranho, não?

A ideia de implantação da impressão do voto como forma complementar à votação eletrônica não chega a ser absurda, mas as manifestações em defesa da proposta no modo que estão sendo conduzidas são inconsequentes. O alvo do presidente está errado. Se Bolsonaro quer o voto impresso, terá que aprovar no Congresso e ainda viabilizar os recursos no Orçamento (R$2,5 bilhões). O resto é pura confusão política.

Continue Lendo

Artigos

Quais as razões da retirada da candidatura de Pedro Cunha e o apoio do PSDB a Romero?

Publicado

em

* Por Josival Pereira

A esquisita celeuma em torno de um suposto encontro entre o ex-senador Cássio Cunha (PSDB) e o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) no qual havia se discutido a formação de uma chapa com os dois para a disputa das eleições de 2022 acabou nesta quinta-feira com os tucanos anunciando a retirada da pré-candidatura de Pedro Cunha Lima e apoio à postulação de Romero Rodrigues.

Na política, o costume é questionar as razões por trás dos fatos. Existem, no caso? Quais?

Observe-se, inicialmente, que, a rigor, não há novidade no fato. Alguém imaginaria que a família Cunha Lima pudesse rachar e apresentar dois candidatos a governador ou se dividir em chapas diferentes? Quase impensável. Assim, esse dia (re)unificação chegaria.

Talvez existam razões para justificar ou explicar a escolha do momento do óbvio anúncio.

Uma razão, certamente, é a constatação da inviabilidade da candidatura do deputado Pedro Cunha Lima a governador. Falou-se, nos últimos dias, que Cássio andaria com uma pesquisa debaixo do braço em Brasília. Então, existem números e existem razões.

Pelo alarde que a notícia do suposto encontro entre Cássio e Veneziano ganhou na imprensa e nas discussões políticas, é lícito supor que também possa ter sido uma relevante causa para precipitação das decisões e dos anúncios feitos.

A forma singela do evento  – entrevista com poucas pessoas e sem a presença de interessados importantes -, permite aventar que o anúncio da retirada do nome de Pedro Cunha Lima da disputa atende a uma necessidade ou exigência de pacificação da família.

Não é estranho imaginar que o ex-prefeito Romero Rodrigues tenha se chateado com a notícia de colóquio político entre o primo e um de seus principais adversários em detrimento de sua candidatura. Como ele poderia buscar apoios ou cobrar compromisso de seguidores de Bolsonaro, por exemplo, se até a família não está unida?

O mesmo sentimento pode ter melindrado o prefeito Bruno Cunha Lima, que, sendo o integrante da família detentor do mais importante cargo de poder, precisa ser ouvido.

O desfecho é que tudo continua como antes no quartel dos Cunha Lima. Quer dizer, nem tudo: o poder e a perspectiva de poder já não estão no núcleo da casa do poeta. Pelo menos, na atual quadra política.

Continue Lendo

Artigos

Romero, Veneziano, a corrida pelo Governo da PB, um ‘racha’ campinense e o cenário ideal para João

Publicado

em

O comentário feito pelo vereador Mikika Leitão, de João Pessoa, nesta terça-feira (27), sobre a mobilização do MDB, partido ao qual é filiado na Paraíba, já se articular para indicar o presidente Estadual da legenda, senador e vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rêgo, para disputar o Governo Estadual nas Eleições 2022, balançou os bastidores da política paraibana.

Isso porque caso Veneziano decida sair candidato na corrida ao Governo do Estado, assim como o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD) já o fez, desencadeará um cenário de polarização de dois ex-prefeitos campinenses muito fortes, no caso, em âmbito municipal, para a disputa de votos dentre o eleitorado de Campina Grande, fato este que beneficiaria – e muito! – a candidatura do atual governador João Azevêdo (Cidadania) à reeleição.

O cenário de fatiamento de votos em Campina, o segundo maior colégio eleitoral da Paraíba, ainda pode se tornar mais complicado e mais favorável para João, caso seja confirmada a intenção do deputado federal e presidente Estadual do PSDB, Pedro Cunha Lima, em também sair candidato ao mesmo cargo.

O parlamentar federal já é encarado pela imprensa nacional como pré-candidato ao Governo do Estado, mas, todo paraibano sabe que Pedro, na política local, tem um peso a mais por ser filho de Cássio Cunha Lima (PSDB) um dos mais fortes líderes políticos de toda a história paraibana.

O nome de Cássio, inclusive, foi citado por Mikika como integrante de uma chapa, encarada como ideal e vitoriosa, encabeçada por Veneziano na disputa ao Governo da Paraíba.

Cássio, segundo Mikika, sairia como candidato a senador por ser extremamente gabaritado para tal, por já ter ocupado o mesmo cargo, em Brasília, com máxima competência.

A preço de hoje, a partir do esboço sugerido por Mikika, e da possibilidade da presença de mais nomes campinenses de peso na disputa ao Governo do Estado, tem-se o claro vislumbre de uma pintura extremamente favorável à reeleição do atual governador João Azevêdo.

 

 

Continue Lendo