Nos acompanhe

Negócios

Escola paraibana comemora resultados na redação do Enem

Publicado

em

Conquistar uma boa nota na redação do Enem é considerado um desafio enorme para quem vai fazer o Exame Nacional do Ensino Médio e isso costuma tirar o sono de muitos estudantes. A média de nota da redação, todos os anos, costuma sempre variar entre 400 e 600 pontos, em uma tabela que vai de zero a mil. Este ano, a nota média foi de 588,74. Com a divulgação das notas da edição 2020 do exame, um colégio no interior da Paraíba tem motivos de sobra para comemorar. Dos 25 alunos do 3º ano do Ensino Médio do Colégio Normal Francisca Mendes, em Catolé do Rocha, sertão paraibano, 22 conseguiram uma nota na redação acima de 900 pontos, sendo que 5 deles atingiram 980 pontos. Em todo o Brasil, este ano foi historicamente o que registrou menor número de redações nota mil: apenas 28 estudantes em todo o país, dentre mais de 2,7 milhões de alunos. Para se ter uma ideia, em 2019 foram 53 notas mil e, em 2018, 55.

Para produzir um bom texto, digno de uma boa nota, não existe uma fórmula única, mas de acordo com a professora de redação do Colégio Francisca Mendes, Iara Muller Gomes Barreto, alguns requisitos são fundamentais. “Eu afirmo com segurança que o resultado excelente que conquistamos foi fruto de um trabalho baseado na prática, na ampliação do repertório e no exemplo”, destaca a educadora. Para ela, praticar a produção de textos de forma incessante é indispensável. É escrevendo cada vez mais que se escreve cada vez melhor. “A preparação com os alunos ao longo de 2020 contou com muita prática da escrita. Toda semana, eu apresentava uma proposta nova de tema para ser desenvolvido pelos alunos, durante as aulas ou em casa. E, na semana seguinte, eu dava um retorno individual para cada um deles sobre os textos produzidos”, explica Iara.

A professora destaca também que procura ampliar o repertório social, histórico e cultural dos alunos. “Nas aulas, apresentamos muitos conteúdos e reflexões baseados em filmes e séries que indicamos, livros, filósofos e sociólogos cujos conceitos ajudam a fundamentar as ideias e argumentos na hora de escrever, além também de tópicos baseados na Constituição Federal Brasileira. É por meio da leitura e da aquisição de conhecimento e ideias que o aluno consegue melhorar a capacidade de argumentação na hora de defender uma tese na redação”, ressalta. E o exemplo também é muito importante. A professora conta que toda semana apresenta um exemplo de redação nota mil para a turma. “O que eu faço é mostrar que há técnica para se produzir uma boa red ação. E eu costumo repassar parágrafo por parágrafo do exemplo apresentado, destacando o caminho adotado ali”.

A estudante Laura Terna, cuja nota na redação foi de 980 pontos, reforça as colocações da professora. “O que realmente me ajudou foi esse trabalho que a escola realizou de nos estimular muito com uma ampliação da visão de mundo, do nosso repertório. A professora estava sempre nos instigando a conhecer mais e refletir sobre o que nos era apresentado. eu também me dediquei bastante a escrever muito neste ano que passou. Minha meta pessoal era a de escrever pelo menos uma – em muitas semanas foram duas – redações por semana”, conta a estudante. O tema da redação do Enem 2020 foi “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”. Laura diz que estava preparada para esse tema por conta da visão de sociedade que já havia adquirido no trabalho com a profess ora de redação. “Eu procurei escrever sobre a alienação social, como os indivíduos costumam se calar diante das questões que prejudicam os grupos menos favorecidos”, explica a aluna.

Por conta da pandemia, uma das preocupações do Colégio foi não permitir que a suspensão das aulas presenciais prejudicasse o desempenho dos alunos. A diretora pedagógica do Colégio, Ana Cristina Lira de Sousa Xavier, conta que a escola redobrou os esforços para que os alunos concluíssem o ano letivo de 2020 realmente preparados para o Enem e vestibulares. “Apesar de estarmos vivenciando um momento difícil, foi possível colher resultados tão positivos. O Enem foi a melhor régua para confirmar esses resultados. A escola é conveniada ao Sistema Positivo de Ensino, que ofereceu aos nossos alunos simulados bimestrais, além de aulas e conteúdos de reforço e revisão pelo Webestudante. Isso tudo, certamente, fez a diferença e nos permite hoje comemorar os resultados obtidos”, conta a diretora.

Sobre o Sistema Positivo de Ensino

É o maior sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversos componentes, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltados à educação.

Continue Lendo

Negócios

Áreas verdes reconectam moradores de apartamentos com a natureza

Publicado

em

As plantas promovem uma conexão com a natureza que proporciona bem-estar, agregando beleza e qualidade de vida. Por isso, é cada vez mais comum moradores de apartamentos desejarem apostar no verde, seja em jardins verticais, plantas ou árvores frutíferas nas áreas externas ou internas. “Há pessoas que temem perder o contato com a natureza por estarem em imóveis menores e sem a presença de terra para plantio, mas o que muitos desconhecem é que os apartamentos têm se tornado cada dia mais funcionais e, consequentemente, mais propícios ao cultivo de plantas”, comenta o engenheiro Guy Porto, sócio-diretor da Massai.
A presença de elementos típicos de folhagem natural nos ambientes se destaca e encanta as famílias. Agregando beleza na decoração do ambiente, as plantas possuem diversas características que proporcionam benefícios, como inspirar a criatividade, proporcionar a sensação de aconchego, minimizar alergias, fornecer energia, diminuir o estresse e acalmar os olhos, além de melhorar o ar e a umidade.
Para Guy, cuidar das plantas funciona como um alívio em meio a correria do dia a dia. “Eu amo o contato com a natureza que elas proporcionam, pois cresci no interior subindo em árvores. Ter essa proximidade com o meio ambiente é muito importante para mim”, comenta o engenheiro, que conta com mais de 30 plantas na varanda.
Segundo ele, é comum atender clientes que priorizam apartamentos com espaço para jardinagem e não abrem mão de ter uma área verde dentro de casa, independentemente do tamanho. “Nos nossos empreendimentos, nos deparamos muitas vezes com moradores que auxiliam inclusive nos cuidados com os jardins coletivos, que são pensados para proporcionar o contato com a natureza. Outros nos contam que só sairiam de uma casa para morar em um apartamento se for possível levar consigo as plantas que possuem. Hoje em dia, as plantas vão além de compor uma decoração”, comenta.
Sobre a Construtora Massai – Há 25 anos no mercado, a Construtora Massai é referência em qualidade, lançamentos inovadores, pontualidade na entrega e tecnologia. Figurando entre as cem maiores construtoras do país, de acordo com o ranking nacional da INTEC Brasil, a construtora é também uma das empresas mais respeitadas e admiradas no mercado da construção civil. Criada em 1996, conta com empreendimentos de luxo e alto padrão em João Pessoa, Campina Grande e Mossoró (RN). Para conhecer melhor a Massai e suas atividades, o site é www.massai.com.br . No instagram, @massaioficial .
A Massai fica localizada na Avenida Monteiro da Franca, 1092 – Manaíra, em João Pessoa. Outras informações, pelo telefone 83 3506 6800.

Continue Lendo

Negócios

Reconhecimento: Município de Areia recebe título de Capital Paraibana da Cachaça

Publicado

em

O município de Areia, no Brejo da Paraíba, agora é oficialmente a Capital Paraibana da Cachaça. O Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (20) trouxe a publicação da Lei 11.873/21, de autoria do deputado e presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo e Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa (ALPB), Eduardo Carneiro (PRTB), que institui o título a cidade. A legislação tem como objetivo aquecer o turismo e a economia local.

Areia é a 4ª cidade em número de estabelecimentos de produtores de cachaça do Brasil e a 1ª do Nordeste. No município, existem 28 engenhos ativos, que em 2018 produziram 4,5 milhões de litros de cachaça. O setor gera aproximadamente dois mil empregos indiretos e 45% do ICMS que entra em Areia é oriundo da cachaça. Os dados são do Anuário da Cachaça.

De acordo com Eduardo, a produção de cachaça em Areia também movimenta a economia local através do turismo, sendo os engenhos um dos principais atrativos do município. Os engenhos de cachaça de Areia recebem em tomo de 25 mil turistas por ano e estão no roteiro turístico “Caminhos dos Engenhos”.

“Com a concessão do título de Capital Paraibana da Cachaça à cidade de Areia, vamos alcançar uma maior divulgação da excelente qualidade das cachaças do município, reconhecidas pelos inúmeros prêmios recebidos, facilitando a captação de recursos e investimentos, impulsionando também o turismo do setor, promovendo a geração de mais empregos e o consequente desenvolvimento regional. A lei também confere justo reconhecimento à identidade cultural local associada ao produto e a sua história”, destacou o deputado.

Produção – Dados da Associação Paraibana dos Engenhos de Cachaça de Alambique (Aspeca), a Paraíba é o maior fabricante de cachaça de alambique do país, possui 80 engenhos que juntos fazem 12 milhões de litros por ano. No Brasil, existem cerca de 40 mil produtores de cachaça artesanal. O Estado possui 30 engenhos que produzem e engarrafam cachaça e outros 50 apenas produzem a bebida, vendendo a outras marcas.

Continue Lendo

Negócios

Lei garante vagas de estágio em órgãos públicos para idosos

Publicado

em

Órgãos ou entidades da Administração Pública da Paraíba devem destinar vagas de estágio para idosos. Isso é o que determina a Lei 11.875/21, de autoria do deputado Eduardo Carneiro (PRTB), publicada na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (20).

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que o desemprego entre esse público aumentou nos últimos anos, passando de 18,5% em 2013 para 40,3% em 2018. Além disso, nos atuais dados do IBGE, 41% do total de ocupados estão na informalidade. A falta de ocupação é uma das causas da depressão entre os idosos, doença que atinge 9,2% deles no país. Na Paraíba, 11,4% da população tem mais de 60 anos.

O deputado explica que a ideia da lei não é substituir estagiários, mas sim, permitir que diferentes gerações agreguem um novo conjunto de competências ao Governo do Estado gerando troca de experiências e aprendizado. “Temos idosos ativos e que podem colaborar muito com a administração, além disso, um estágio é uma oportunidade para que eles tenham uma ocupação e desenvolvam novas habilidades”, disse.

De acordo com a Lei, 1% das vagas de estágio de nível superior devem ser oferecidas para pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, mas se a quantidade de candidatos com esta faixa etária for menor do que o número de oportunidades reservadas, as remanescentes serão ocupadas pelos demais concorrentes.

Continue Lendo