Nos acompanhe

Artigos

O novo food service no Brasil e a corrida contra o tempo para se adaptar

Publicado

em

* Por Ana Paula Coelho, CEO da Monte Carlo Alimentos

O setor de Alimentação Fora do Lar (AFL) tem sido fortemente impactado pela pandemia do coronavírus. Em 2020, bares, restaurantes, pizzarias e lanchonetes tiveram que fechar suas portas e se adaptar a um novo cenário sem a previsão concreta da reabertura em sua totalidade. Mesmo com a flexibilização da quarentena isso ainda gera reflexos nos negócios até hoje. De acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-SP), 30% dos comércios encerraram as atividades porque faliram nesse período.

Em comparação ao ano anterior, 2019, o crescimento do setor foi marcado por mudanças nos hábitos de consumo e, com isso, elevou o percentual de gastos dos recursos destinados à alimentação para 32,8%, segundo estimativas do IBGE. Já em 2018, esse mercado correspondia a 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, com um faturamento de R$ 176 bilhões.

O mercado de food service compreende todos os negócios que realizam transações ligadas ao consumo de alimentos preparados fora do lar, sejam para serem consumidos no estabelecimento, na casa do consumidor ou onde ele estiver. Mesmo com os números assustadores sobre os negócios que quebraram, muitos empreendedores encontraram oportunidades onde muitos não enxergavam. Um estudo da Mobills aponta que os gastos com os principais aplicativos de entregas de comida – Rappi, iFood e UberEats – cresceram 149% em 2020. Logo, o delivery deixou de ser visto como um diferencial para se tornar uma necessidade.

Essa foi uma das maneiras mais buscadas para manter o segmento de food service funcionando. Foi preciso correr contra o tempo para repensar conceitos, adequar menus e adaptar equipes e processos a essa nova realidade. Empreendedores tiveram de reestruturar seus negócios, não só as vendas, mas também a gestão de seus comércios. Segundo a pesquisa “Alimentação na Pandemia: a Visão dos Operadores de Foodservice”, desenvolvida pela consultoria Galunion e pela Associação Nacional de Restaurantes (ANR), um terço dos estabelecimentos (34%) comprou insumos com distribuidores especializados e outra parcela (31%) adquiriu direto com a indústria.

A jornada de compras de estabelecimentos comerciais em plataformas B2B mostra também uma adaptação do setor para o digital. Muitos players do setor de distribuição oferecem a opção de vitrine virtual, ou ainda, assumem a logística e criam modelos ligados diretamente à indústria criando um serviço diferenciado para abastecimento de bares e restaurantes. A tecnologia se faz cada vez mais presente no cotidiano da população. Com isso, a adesão dos negócios também tem sido cada vez maior. Outro fator importante que contribuiu para essa transformação é o investimento na experiência do cliente, é a estratégia omnichannel, que permite integrar diversas opções de atendimento ao consumidor.

Não há dúvidas de que a pandemia provocou mudanças no mercado de food service, sejam elas negativas ou positivas. Mas no Brasil o setor aponta um novo rumo já que os hábitos de consumo também mudaram dentro e fora dos comércios. Seja o consumidor que tem se alimentado mais por entregas, quanto o próprio empreendedor que deixou de ir à feira ou atacado para abastecer seu estabelecimento comprando pela internet.

Uma projeção da Food Consulting e levantamentos da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA) com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que o setor vai passar de uma queda de 32% em 2020 para uma alta de 22% a 25% em 2021. A expectativa é grande, quem conseguiu se reinventar e sobreviver à pandemia tem grandes chances de ascender devido às novas tendências nascidas durante o período.

Continue Lendo

Artigos

Planos de saúde apostam em postura educativa

Publicado

em

* Rodrigo Felipe, presidente do Grupo First e idealizador da operadora de planos de saúde You Saúde

Vivenciar uma pandemia global fez com que muitas pessoas buscassem manter uma rotina diária mais saudável, com foco na qualidade de vida e no próprio bem-estar. Essa nova demanda provocou uma adaptação necessária nas operadoras de saúde, que agora apostam no uso de dados e novas tecnologias para conscientizar e educar seus beneficiários sobre a importância da preservação da saúde.

Dentro dessa nova proposta, a prevenção – não só baseada em exames e check-ups anuais – é pautada pela adaptação do indivíduo a um melhor estilo de vida. “Manter uma pessoa saudável requer olhá-la como um todo, ouvir suas queixas e necessidades, e oferecer um tratamento humanizado. E isso inclui estimular a adoção de bons hábitos.

As atenções das chamadas health techs estão voltadas para a promoção de um cotidiano mais sadio e que abarque a alimentação balanceada, prática de atividade física, qualidade do sono, gerenciamento do estresse e entre outros diversos aspectos, que fazem toda a diferença para a vitalidade de uma pessoa.

É através de novas tecnologias e do uso de dados que resultados positivos têm sido alcançados – lançada em meio à pandemia, a nossa operadora já garantiu o cadastro da melhor rede credenciada de Belo Horizonte, iniciou as vendas de produtos com uma antecipação de 2 meses e planeja lançamento em novas praças nos próximos meses.

Por meio da análise de dados e indicadores, é possível, por exemplo, definir o melhor médico para cada caso. Isso facilita a jornada do paciente, que não só se torna mais efetiva, como também mais tranquila.

Neste diferente cenário para a saúde suplementar também se destaca o uso da telemedicina. Esta que possibilita a realização de atendimentos básicos, evita a formação de filas, diminui idas desnecessárias a clínicas e hospitais e permite que o paciente sane dúvidas quanto a sintomas ou sinais de alguma doença, sem precisar sair de casa. Este tipo de assistência acaba ajudando a prevenir a evolução de enfermidades e patologias. Ainda preserva o paciente de uma possível contaminação pelo novo coronavírus, quando não é necessário esse paciente se deslocar da sua casa para o hospital ou clínica médica.

Essa mudança de visão por parte das novas operadoras de saúde como um todo, contribui para que o beneficiário se conserve ativo e saudável por mais anos e consiga se organizar melhor financeiramente para arcar com os custos dos planos durante a terceira idade, sem lidar com os reajustes por faixa-etária.

Continue Lendo

Artigos

Opinião: honestidade, o maior legado deixado por José Maranhão

Publicado

em

*Por Wellington Farias

A considerar o mar de lama que historicamente tem sido a vida política brasileira, certamente o maior legado deixado pelo ex-governador e senador, José Maranhão, é a honestidade.

Um legado talvez até maior do que as importantes e estruturantes obras em cal e pedra que ele construiu ao longo de dois mandatos de governador do Estado da Paraíba. Não teve Lava Jato, Calvário, ou qualquer CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) em que o nome de José Targino Maranhão tenha sequer sido mencionado.

E olhem que o MDB velho de guerra é useiro e vezeiro em estar metido em tudo o que é falcatrua na política brasileira. Sendo a mais recente de todas, a lambança que envolveu o ex-todo-poderoso Eduardo Cunha, emedebista de carteirinha e pilantra de quatro costados.

Meio mundo de emedebistas, em todas as instâncias da esfera pública, já se meteu em tudo o que não presta na política brasileira. E quando se trata da malversação do dinheiro público, sai de perto…

O velho José Targino Maranhão, entretanto, jamais esteve envolvido em qualquer maracutaia.

Maranhão tinha fama de raposa velha da política; de esperto nas articulações e, até, de conduzir com punho de ferro o histórico Movimento Democrático Brasileiro na Paraíba. Mas nada disso ofusca o grande mérito de jamais estar envolvido em corrupção ou ter sido conivente com ela, sobretudo, nos mandatos de governador no Estado da Paraíba.

Quem será?
A pergunta que agora se faz é quem será o herdeiro político do ex-governador José Maranhão, falecido nesta segunda-feira, vítima das sequelas da covid-19?

Herdeiro político tanto no âmbito familiar, quanto nas hostes do Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Não basta ter Maranhão no sobrenome. Para substituí-lo precisa ter, sobretudo, cacife.

Campina maior
Com a morte do senador José Maranhão, se fortalecem, por extensão, a família Vital do Rêgo e a própria Campina Grande. Os Vital passam a ter, nada mais nada menos, que dois senadores: dona Nilda Gondim, suplente de José Maranhão, que assume em definitivo; e o filho desta, o senador Veneziano Vital do Rêgo.

Mãe e filho, senadores na mesma legislativa, acontece agora, pela segunda vez na história do Senado da República.

Enquanto isso, a cidade de Campina Grande, que sempre foi protagonista no cenário paraibano, passa a ter três senadores: além de Veneziano Vital e Nilda Gondim, a primeira senadora eleita pela Paraíba, Daniella Ribeiro.

Continue Lendo

Artigos

Opinião: como Patagruel, Walber Virgolino tem fome implacável e busca o poder a todo custo

Publicado

em

Quando alguém se torna conhecido por um apetite voraz, costuma-se classificá-lo de várias maneiras, e, entre elas, de glutão, lambe-pratos, comilão e demais alcunhas que seu distúrbio alimentar psicopatológico sugere. E aqui faço uma relação metafórica entre Pantagruel, filho do gigante Gargântua, e o deputado estadual Walber Virgolino (Patriotas)

Um grande boa-vida, alegre e glutão, Pantagruel- da obra do escritor e padre francês François Rabelais – cuja publicação veio no ano de 1532 – destaca-se desde a infância por sua força descomunal, superada apenas por seu apetite. Seu nome significa “tudo alterado”. E é assim que posso classificar o parlamentar por seu comportamento, no mínimo, pouco diplomático, inclusive com seus próprios colegas da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Não raro, costuma se vangloriar da condição de delegado da Polícia Civil, para informar que não troca tapas com ninguém e, sim, balas, numa clara postura ameaçadora. Persegue ele a imprensa, inclusive chegou a formatar nos seus devaneios uma CPI contra a categoria, o que foi amplamente rechaçada por seus pares, dentre outras atitudes esdrúxulas e pouco civilizadas, como postar fotos nas redes sociais fazendo a pose da “arminha”; similar ao presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), que diz ser fã de carteirinha e amigo do “mito do leite moça”.

Deputado eleito com o maior número de votos, 30.733, ficou na quarta colocação na disputa à prefeitura de João Pessoa, ainda “surfando” na onda Bolsonaro, que por sinal apresenta queda acentuada no seu índice de popularidade, principalmente por desdenhar da pandemia causada pelo novo coronavírus e a tragédia que acontece no estado do Amazonas, com pacientes morrendo por falta de tubos oxigênio nas unidades hospitalares.

E nesse contexto o glutão Virgolino, que mostra orgulho por ter sobrenome similar a um atroz cangaceiro, busca, como Pantagruel e sua gula – no caso específico do parlamentar – o poder, e não a comida ou o bem público do povo paraibano, evidência na ALPB.

De uma só vez Wallber Virgolino concorre a dois cargos. Ele disputa a 2ª vice-presidência com o deputado tucano Tovar Correia Lima, no qual existe um acordo implícito de que tal cadeira deva ficar com a bancada de oposição, no caso o PSDB, uma vez que João Henrique (falecido no dia 12 de janeiro) era do partido.

O Patriota também disputa junto com a deputada Pollyanna Dutra (PSB) e o deputado João Gonçalves (Podemos) o cargo de 1º Secretário da Mesa. Nesta postulação Gonçalves, da base aliada do governador João Azevêdo (Cidadania), tem a preferência dos seus pares.

Agora resta aguardar e ver se Virgolino ficará com um bom prato ou restará para ele, apenas, algumas migalhas de pão, pois de todos que disputam os respectivos cargos, Virgolino apresenta maior rejeição graças a seu comportamento pouco amistoso na Casa de Epitácio Pessoa.

Eliabe Castor

Continue Lendo