Nos acompanhe

Notícias

No Dia da Construção Civil, Nilvan destaca propostas para o segmento em João Pessoa

Publicado

em

No Dia da Construção Civil, comemorado neste domingo (25), Nilvan Ferreira (MDB), candidato a prefeito de João Pessoa, destacou projetos para o segmento. Com intuito de resgatar a força do setor no pós-pandemia e gerar emprego e renda para o povo pessoense, o candidato também ressaltou o avanço tecnológico que implantará na prefeitura.

Conforme Nilvan, ele irá rediscutir a outorga onerosa, como forma de oxigenar o segmento, gerando mais emprego e renda para os pessoenses. Além disso, vai agilizar os alvarás, com um choque tecnológico, para garantir a desburocratização da máquina e otimizar os processos.

“Garanto que minha gestão será parceira importante para quem quer construir na capital. Uma gestão profissional vai garantir cada vez mais uma João Pessoa boa pra todos. No dia 15, vote 15”, afirmou Nilvan.

Continue Lendo

Artigos

Covid-19 e a sua relação com os hábitos de consumo

Publicado

em

O ano de 2020 marcou nossas vidas de modo significativo. Diversos dos nossos hábitos foram modificados e adaptados a uma nova realidade. Assim, deixamos ou ao menos diminuímos nossas idas às festas, confraternizações. Para muitos, a moradia passou a ser também local de trabalho (home office), aumentaram as compras pela internet, além do uso obrigatório de máscaras e utensílios de higiene, dentre outros. Esse ano, será então um daqueles períodos, narrados, em páginas de internet e livros de história, como o epicentro de grandes modificações estruturais na sociedade global.

De repente, diante de uma pandemia, a economia mundial viu suas relações serem modificadas, o que impactou e têm impactado no PIB (Produto Interno Bruto) dos países, no desemprego, no consumo, nas novas relações de trabalho, de tal modo que, cada país vêm adotando medidas para, ao menos, diminuir os impactos negativos. Impactos estes que já são sentidos no Brasil, por exemplo, com alto número de pessoas infectadas e mortas, aumento considerável do desemprego e queda do crescimento econômico, fazendo inclusive, agências de grande renome, projetarem que o Brasil, sairá do ranking das dez maiores economias mundiais. Soma-se a isso o aumento do preço de produtos essenciais, a desvalorização do câmbio e o estresse gerado pelas incertezas do cenário econômico e o isolamento social.

Assim, as famílias brasileiras se veem diante de um contexto de insegurança o que necessariamente impacta nos seus hábitos de consumo. Mas por que impacta? Diante de uma possível retomada da economia, viu-se o aumento do desemprego. Com mais pessoas desempregadas, haverá menos consumo e também menor renda para fazer frente às despesas essenciais. O que acaba gerando maior retração da economia e também um aumento do endividamento da população, que viu sua renda diminuir e ao mesmo tempo, os gastos aumentar com o aumento do preço de produtos essenciais.

A esse respeito, segundo pesquisa realizada pelo IBGE, 24,2% da população brasileira, teve rendimento menor que o normalmente recebido, sendo então que, grande parte recorreu a empréstimos para fazer frente às dívidas e necessidades diárias, além de adquirirem novos hábitos financeiros para tentar driblar ou diminuir os impactos da crise. Assim, de acordo com pesquisa realizada pela Opinion Box, 65% da população entrevistada deixou de comprar itens não essenciais, 31% postergou o pagamento de uma conta ou dívida, para fazer frente às necessidades primárias, 27% da população renegociou contratos de telefonia e aluguéis. E o que se espera para o futuro em relação ao consumo e situação econômica do país? Espera-se que o governo tome medidas que de fato imp actem positivamente na geração de postos de trabalho (dos setores em geral), que sinalize medidas para conter o aumento dos preços de produtos essenciais, decorrente, dentre outros, do aumento das exportações frente ao câmbio desvalorizado. Assim, medidas para manter a empregabilidade da economia brasileira, e consequente, consumo da população, juntamente com os novos hábitos financeiros adquiridos por parte da população, podem corroborar para uma melhora dos nossos indicadores econômicos e sociais.

Autora: Pollyanna Rodrigues Gondin é economista e tutora do curso superior de Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital do Centro Universitário Internacional Uninter.

Continue Lendo

Paraíba

Índice de aprovação da gestão Luciano Cartaxo em João Pessoa é de 50%, diz Ibope

Publicado

em

O índice de aprovação da gestão do prefeito Luciano Cartaxo (PV) no comando da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) é de 50%, de acordo com dados da pesquisa Ibope Inteligência.

Ainda segundo as informações divulgadas nesta quarta-feira (25), pelos menos 45% dos entrevistados disseram desaprovar a gestão de Luciano e 5% não souberam avaliar.

De acordo como Ibope, as últimas quatro avaliações registradas sobre o índice de aprovação da gestão do prefeito da Capital paraibana foram as seguintes:

05/10- 56%;
22/10- 52%;
14/11- 53%;
24/11- 50%.

Já quanto a desaprovação da gestão, os dados foram os seguintes:

05/10- 39%;
22/10- 42%;
14/11- 42%;
24/11- 45%.

Sobre a questão Aprovação, pelo menos 5% dos entrevistados não souberam avaliar em 05/10; 6% em 22/10; 5% em 14/10; e, 5% em 24/11.

O Ibope ainda revelou os seguintes avaliações sobre a gestão Cartaxo:

Ótima/Boa:

05/10- 38%;
22/10- 34%;
14/11- 37%;
24/11- 34%.

Regular:

05/10- 39%;
22/10- 42%;
14/11- 36%;
24/11- 39%.

Ruim/Péssima:

05/10- 22%;
22/10- 22%;
14/11- 25%;
24/11- 26%.

Não sabem avaliar:

05/10- 1%;
22/10- 2%;
14/11- 2%;
24/11- 1%.

Continue Lendo

Paraíba

Ibope revela que índice de rejeição da gestão João Azevêdo caiu de 27% para 23% em João Pessoa

Publicado

em

A pesquisa Ibope Inteligência publicada nesta terça-feira (24), em João Pessoa, revelou que o índice de rejeição do Governo Estadual, sob comando do governador João Azevêdo, caiu quatro pontos percentuais e foi de 27% para 23% na Capital paraibana.

Segundo os dados do Ibope, as avaliações Ruim/Péssima atribuídas pelos entrevistados ao Governo da Paraíba ao longo das últimas quatro pesquisas foram as seguintes:

05/10- 25%;
22/10- 24%;
14/11- 27%
24/11- 23%.

As avaliações Ótima/Boa foram as seguintes:

05/10- 30%;
22/10- 29%;
14/11- 29%
24/11- 29%.

Já as avaliações Regular tiveram as seguintes apresentações:

05/10- 41%;
22/10- 41%;
14/11- 40%
24/11- 43%.

De acordo com os dados, no dia 05/10, pelo menos, 5% dos entrevistados não souberam avaliar, bem como, 5% no dia 22/10; 4% no dia 14/11; e, 5% no dia 24/11.

Continue Lendo