Nos acompanhe

Brasil

CNC: coronavírus provoca a maior queda da história na confiança do empresário do comércio

Publicado

em

Influenciado pelos impactos econômicos do novo coronavírus, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou em maio sua maior queda mensal desde o início da realização da pesquisa, em março de 2011. O indicador caiu 20,9%, em sua terceira retração consecutiva, e, com 94,5 pontos, atingiu o menor nível desde setembro de 2016, chegando à zona de avaliação negativa (abaixo de 100 pontos) – o que não acontecia desde março de 2017. Em relação ao mesmo período do ano passado, a redução foi de 22,8%.

Com 75 pontos, o indicador que mede a satisfação dos empresários com as condições atuais apresentou retração mensal de 26,5%. De acordo com a pesquisa, os comerciantes estão pessimistas, principalmente, com a economia. O item que mede este sentimento recuou 32,8% com relação a abril, registrando a maior redução na comparação com o mês anterior e atingindo 62,5 pontos – o menor patamar desde setembro de 2018. Além disso, para 67,2% dos entrevistados, a situação econômica atual está pior do que há um ano. É a maior proporção de avaliação negativa desde novembro de 2018.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, reforça que, assim como aconteceu com os consumidores na última Intenção de Consumo das Famílias (ICF), a percepção ainda mais pessimista dos comerciantes quanto ao nível atual de atividade econômica está diretamente relacionada ao alastramento da crise provocada pela pandemia de covid-19. “Entre as iniciativas para combater o vírus, o isolamento social segue motivando a paralisação de empresas, fazendo com que a grande maioria tenha drásticas reduções em seus faturamentos, com riscos reais de encerrar suas atividades em definitivo”, ressalta Tadros.

De acordo com ele, mesmo com a injeção de liquidez, em diferentes ações, pelo Banco Central, o crédito está “empoçado” no sistema financeiro. “Os bancos ampliaram as provisões referentes à inadimplência, e, com isso, as empresas têm encontrado dificuldades para acessar os recursos. Sem crédito e nenhum tipo de auxílio emergencial, o cenário para os próximos meses é dramático para parte expressiva das empresas do comércio, um dos mais afetados entre os grandes setores da economia”, afirma o presidente da CNC.

Expectativas e investimento

Já o indicador que mede as expectativas dos empresários do comércio permaneceu na zona de avaliação positiva, com 120,5 pontos, apesar das fortes retrações mensal e anual, de 20,9% e 26,3%, respectivamente. Especificamente sobre a economia, a proporção de comerciantes que esperam uma piora nos próximos meses mais que dobrou, chegando ao maior percentual desde maio de 2016: 39,8%. Com relação ao setor do comércio, as reduções foram de 19,7% (mensal) e 25,2% (anual). Com 122 pontos, o item atingiu em 2020 o menor nível para meses de maio na série histórica. Mais de 32% dos empresários acreditam que o comércio vai piorar no curto prazo, contra 12,9% em abril e 6,1% em março.

O índice que avalia as intenções de investimento também registrou variações negativas: -15,1% (mensal) e -14,7% (anual). Com 88 pontos, o item chegou ao menor patamar desde julho de 2017. A economista da CNC responsável pela pesquisa, Izis Ferreira, aponta a queda na intenção de contratar como um dos principais pontos de atenção. “A disposição do empresário para empregar alcançou o pior resultado desde junho de 2016, com 89,8 pontos. Do total de comerciantes entrevistados, 56,8% afirmaram que têm intenção de reduzir o quadro de funcionários, contra 35,5%, em abril, e 30,2% em maio de 2019”, diz.

Izis chama a atenção ainda para o aumento do percentual de empresários dispostos a reduzir os investimentos: 58,8%, ante 49,2%, em abril, e 46,8% em março. “Com as condições correntes bastante negativas e expectativas em deterioração, além das dificuldades de acesso ao crédito, cada vez mais comerciantes estão retraindo planos de investimento nas empresas”, conclui a economista.

Acesse a análise, os gráficos e a série histórica da pesquisa.

Continue Lendo

Brasil

O Antagonista: Julian confirma reaproximação com Bolsonaro e diz que “quem mudou foi o Planalto”

Publicado

em

O deputado federal Julian Lemos, do PSL da Paraíba, confirmou a O Antagonista a reaproximação do partido com o governo de Jair Bolsonaro. Ele negou qualquer negociação de cargos com o Palácio do Planalto e disse que o partido continuará “com independência”.

Lemos, que pertence à executiva nacional da legenda, também afirmou que o Planalto decidiu optar por essa reaproximação “porque a intenção de nos sufocar e nos aniquilar foi frustrada”.

Leia a íntegra:

1. O que está levando o PSL a se reaproximar do governo Bolsonaro?

Primeiro, o PSL nunca esteve longe do governo, embora tenha sido tratado como adversário pelo próprio Planalto. Mas a gente nunca se distanciou do governo, até porque as pautas do governo vão ao encontro do compromisso inicial que nós tínhamos, quando o então candidato Bolsonaro veio para o PSL.

Se você reparar, nunca saímos do lugar onde estávamos, nem sequer mudamos o nosso discurso. Quem mudou e passou a nos tratar como adversário foi o Planalto. E agora, em um momento de lucidez, ou por algum outro motivo que ainda não sabemos, o Planalto tenta voltar a ser o nosso aliado.

2. Ao negociar cargos e afins com o Planalto, o PSL não vira Centrão?

Eu desconheço qualquer negociação em torno de cargos no governo Bolsonaro. Não existe nenhum tipo de reaproximação baseada em cargos. Até porque não queremos perder a nossa independência em nenhum minuto.

3. Como explicar que um partido que abrigou o candidato que viria a se tornar presidente transformou-se em adversário dele e agora poderá ser amiguinho de novo?

O partido, volto a dizer, não brigou com o presidente. Em nenhum minuto, o partido brigou com o presidente. Não existe relato de briga do partido. O presidente foi hostil com o presidente Bivar e, em um segundo momento, com todos os parlamentares. Aí entrou aquela pecha de traidor, de ala bivarista. Mas isso nunca existiu. Isso não passa de uma insanidade, de uma ideia totalmente sem propósito, sem lógica e sem sentido: essa que é a grande verdade. E não existe ninguém com amizadezinha, nem amiguinho de ninguém. Pelo contrário: não queremos perder a nossa identidade, a nossa independência, (estamos) votando as pautas pelo Brasil. A nossa independência será mantida.

4. O PSL não consegue sobreviver sem estar atrelado a Bolsonaro?

Claro que consegue. Nós somos o partido que mais cresceu, depois da sua saída [de Bolsonaro]. Hoje, sem sombra de dúvida, já temos a prova disso: o nosso partido cresceu em filiados e em número de vereadores, de vice-prefeitos em todo o país. E irá crescer muito mais ao final do pleito de 2020. Estou lhe afirmando, porque faço parte da Executiva e tenho visto isso. A olhos vistos, a gente cresceu muito em mostrar que não nos apartamos da coerência.

Eu acho que esse reaproximação está acontecendo, porque a intenção de nos sufocar e nos aniquilar foi frustrada. Mas quem tem que voltar descalço por essa estrada onde jogaram pedras não é o PSL. O PSL permanece como sempre esteve. Todo o partido não se aparta de trabalhar para que o país prospere. O PSL não está à venda.

Continue Lendo

Brasil

Senado: Veneziano manifesta preocupação com proposta de privatização de grandes estatais em 90 dias

Publicado

em

Em pronunciamento durante mais uma sessão remota do Senado Federal, o Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) manifestou a sua preocupação com o propósito do governo federal de privatizar grandes empresas estatais nos próximos 90 dias, mesmo em meio à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, como anunciou semana passada o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O parlamentar paraibano se posicionou contra as privatizações de empresas consideradas como verdadeiros patrimônios do país, o que, segundo ele, poderá causar danos irreparáveis à sociedade, só favorecendo grandes conglomerados do setor privado, que passarão a abocanhar os serviços realizados, hoje, por empresas públicas eficientes.

— Nós não podemos, neste período em que não estamos presencialmente no Senado, permitir que o governo atropele, como fez no caso do marco regulatório do saneamento [PL 4.162/2019], abrindo para que as empresas privadas simplesmente tomem e abocanhem todos aqueles serviços prestados pelas empresas públicas eficientes — afirmou.

O senador reafirmou, de forma enfática, que continuará atuando em favor do patrimônio público e que defende que sejam criadas condições para que o Brasil evolua na questão do saneamento e em outros setores, mas sem perdas à responsabilidade da função social que tem as empresas públicas.

“Vamos estar atentos e em alerta; e não permitiremos conceber que o governo federal simplesmente desconheça que é preciso fazer esse bom debate”, enfatizou.

Máscaras e álcool gel para comunidades carentes – Durante o pronunciamento, o senador paraibano também pediu a aprovação, pelo Senado, do Projeto de Lei (PL) 3.229/2020, de sua autoria, que autoriza as prefeituras a utilizar os recursos do Sistema Único de Assistência Social (Suas) para adquirir álcool em gel, máscaras e outros insumos utilizados na prevenção do coronavírus.

O parlamentar destacou que esses insumos seriam doados a comunidades carentes, que não têm condições financeiras de adquiri-los Ele argumenta que essa seria uma medida importante para reduzir a disseminação da pandemia.

Continue Lendo

Brasil

Prorrogação de receita médica e odontológica na pandemia vai à sanção

Publicado

em

O Senado aprovou na terça-feira (7) um projeto que determina a prorrogação da validade de receita médica ou odontológica enquanto durar a pandemia causada pelo novo coronavírus. A medida também vale para receitas veterinárias.

A proposta é para prescrição de uso contínuo e não se estende para medicamentos de uso controlado, como os de tarja preta e antibióticos. Para estes, serão mantidos os procedimentos previstos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

De autoria do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), a proposta foi relatada pelo senador José Maranhão (MDB-PB).

O parecer foi aprovado de forma simbólica na sessão. A lei passa a valer assim que for sancionada pelo presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido).

Continue Lendo