Nos acompanhe

Negócios

Corona: Supermercados devem adequar funcionamento para evitar proliferação do vírus

Publicado

em

Preocupado com a proliferação do coronavírus na Paraíba, o deputado estadual Raniery Paulino (MDB) encaminhou ofício ao Presidente da Associação de Supermercados da Paraíba, Cícero Bernardo da Silva, solicitando a adoção de de medidas urgentes, como uso de máscaras por funcionários, disponibilização de álcool gel, distanciamento de pessoas nas filas e limpeza das mercadorias.

Raniery pediu atenção sobretudo nos atendimentos das pessoas idosas, gestantes e com deficiência, as chamadas “preferenciais”, conforme vem alertando os órgãos de saúde.

Confira a solicitação:

Ao Senhor Cícero Bernardo da Silva
Presidente da Associação de Supermercados da Paraíba
Assunto: Solicitação de medidas urgentes em razão do coronavírus (Covid-19).

Senhor Presidente,

1. Em razão das medidas governamentais, do aumento do trabalho “home office”, da suspensão de aulas nas escolas e da conscientização da população em evitar grandes aglomerações, observa-se, contudo, um grande fluxo nos super e hipermercados sem o cumprimento das medidas efetivas de prevenção.

2. Portanto, a nossa grande preocupação neste instante é a execução das regras no interior dos supermercados (uso de máscaras por funcionários; disponibilização de álcool gel, distanciamento de pessoas nas filas, limpeza das mercadorias), sobretudo os atendimentos das pessoas idosas, gestantes e com deficiência, as chamadas “preferenciais”, conforme vem alertando os órgãos de saúde.

3. Assim, para se evitar ainda mais a propagação do Covid-19 na Paraíba, solicitamos encarecidamente a Vossa Senhoria a adoção de medidas, em caráter de urgência.

4. Cônscios do atendimento, apresentamos agradecimentos pela atenção dispensada ao pleito, renovando voto de elevada consideração e nos colocando a inteira disposição.

Atenciosamente,

Raniery Paulino
Deputado Estadual

Continue Lendo

Negócios

Unimed João Pessoa anuncia medidas para atender clientes com Covid-19

Publicado

em

O Hospital Alberto Urquiza Wanderley (HAUW) será reservado, preferencialmente, na rede da Unimed João Pessoa, para o atendimento a pacientes com suspeita de Covid-19. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (3) pela diretoria da Cooperativa durante coletiva de imprensa. A expectativa da Unimed JP é estar com uma estrutura pronta para atender entre 220 e 250 mil pessoas, incluindo clientes da Cooperativa, de outras Unimeds que se encontrem na Capital e da Cassi.

A entrevista foi concedida pelo presidente do Conselho de Administração (Conad) da Unimed JP, Gualter Lisboa Ramalho; pelo coordenador do Núcleo Estratégico de Enfrentamento à Covid-19 da Cooperativa, Petrúcio Abrantes Sarmento; e pelo representante do Conad no Núcleo, Luis Antônio Cavalcante da Fonseca.

Gualter Ramalho destacou que, ao se estruturar para uma demanda de até 250 mil pessoas, a Unimed JP diminuiu a sobrecarga do serviço público. Ele explicou que foi definido um fluxo preferencial de atendimento junto à rede credenciada da Cooperativa para grupos considerados mais vulneráveis, como pacientes pediátricos, obstétricos, idosos e oncológicos. As unidades de referência pactuaram este modelo. As informações serão divulgadas para os clientes, de forma detalhada, na próxima semana.

O presidente da Unimed JP esclareceu que o cancelamento das cirurgias eletivas, aliado a estas medidas pactuadas com a rede, irão prover, de forma antecipada e escalonada, o modelo de segurança desejado. Está definido que clientes não-Covid que procurarem o HAUW serão direcionados para a rede, de acordo com o fluxo e tipo de atendimento definidos para cada unidade. A finalidade é deixar o Hospital Alberto Urquiza livre preferencialmente para os casos de Covid-19. “Hoje, o Hospital Alberto Urquiza tem capacidade para as duas demandas. O que estamos fazendo é nos preparar para a necessidade de atendimento”, esclareceu.

No momento, o HAUW tem 55 leitos destinados a pacientes com Covid-19. Diariamente, são realizadas reuniões com análise contínua de indicadores pelo Núcleo Estratégico de Combate à Covid, de forma técnica, para melhor planejar as medidas necessárias.

UNIÃO DE FORÇAS

Gualter Ramalho informou que, logo após ter sido eleito presidente da Unimed JP, no sábado passado (28), já fez a primeira reunião interna para discutir as medidas para enfrentamento à Covid-19. A agenda seguiu no decorrer da semana com reuniões com Prefeitura de João Pessoa, Governo do Estado, Ministérios Públicos Estadual e Federal e Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O objetivo é compartilhar protocolos e atuar de forma integrada para reduzir custos. Unir forças.

Além da definição do fluxo de atendimento, ele explicou que estão sendo discutidas medidas em conjunto para evitar o trânsito de profissionais de saúde entre os hospitais e otimizar as compras de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Outro esforço conjunto das entidades é a aquisição de testes rápidos para detectar, o quanto antes, se algum profissional foi contaminado.

“Nossa missão é atender os usuários, preservando os profissionais da saúde”, declarou Petrúcio Abrantes Sarmento, coordenador do Núcleo Estratégico de Enfrentamento à Covid-19.

EPIS: GRANDE DESAFIO

O grande gargalo hoje no enfrentamento à Covid-91, em todo o mundo, é a aquisição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Por isso, o isolamento social é fundamental nesse momento.

O médico Luis Antônio Cavalcante reforçou que a finalidade dessa medida é adiar o pico da Covid-19, o que dará tempo para as redes pública e privada se estruturarem, se organizarem, treinarem as equipes e conseguirem os EPIs. “Essa, talvez, seja uma medida salvadora. Quanto menor o pico, melhor”, afirmou.

E é em decorrência da necessidade dos equipamentos de proteção individual que as cirurgias eletivas estão canceladas. É preciso “poupar” as EPIs para que estejam disponíveis no caso de necessidade para atendimento a pacientes com Covid-19.

MOMENTO EXIGE CALMA

Durante todo o momento em que anunciaram as medidas, os gestores da Unimed João Pessoa alertaram que os clientes devem ficar tranquilos, pois terão o atendimento garantido no Hospital Alberto Urquiza ou em qualquer outra unidade da rede. O que se está fazendo é organizar o fluxo para garantir assistência resolutiva, eficiente e segura, com base em critérios científicos.

E deve-se evitar pânico. As providências estão sendo tomadas de forma sistemática e planejada. “Estamos nos preparando para um cenário desfavorável para que sejamos surpreendidos de forma positiva”, afirmou Gualter Ramalho.

Continue Lendo

Negócios

Romero decide manter comércio fechado até o próximo dia 13 em Campina Grande

Publicado

em

O prefeito Romero Rodrigues decidiu, após ter participado de uma vídeoconferência na manhã desta sexta-feira, 3, que pautou a manutenção das medidas restritivas às atividades econômicas, com destaque para o setor comercial, em Campina Grande, até o próximo dia 13. A decisão de Romero foi anunciada na reunião virtual, da qual participaram mais de 50 pessoas representantes das classes produtoras, dos trabalhadores, do Ministério Público (Estadual, Federal e do Trabalho), além de integrantes da equipe de auxiliares do prefeito e do secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros.

Em sua fala final na vídeoconferência, Romero acertou com o grupo uma nova reunião virtual na próxima quinta-feira, 9, justamente para avaliar mais uma vez o quadro e tentar criar o cenário ideal para uma possível retomada das atividades no comércio sob um rígido controle e pré-requisitos. E novamente será levado em conta todos os dados e estudos apresentados pelas autoridades médico-sanitárias do Município, do Brasil e do mundo.

Prioridades: saúde e vida

Desde suas primeiras exposições no debate, Romero Rodrigues foi enfático em relação ao extremo cuidado que ele precisa manter, como gestor público, cristão e cidadão, na preservação da saúde e vida das pessoas. Reafirmou que, desde o primeiro momento, sua prioridade foi de adotar medidas de impacto na cidade de isolamento social, embora reconheça as dificuldades sofridas por alguns setores produtivos, principalmente os pequenos negócios. Mas disse que não fugiria à responsabilidade de seguir as orientações técnico-científicas de sua equipe e da Organização Mundial da Saúde (OMS) e pediria a todos um pouco mais de sacrifício neste momento, já que os valores em jogo “não têm preço”.

O secretário Geraldo Medeiros fez também um apelo ao prefeito pela manutenção das medidas restritivas, alertando que os próximos 15 dias serão cruciais para que Campina Grande e a Paraíba continuem com um controle razoável da situação.

Alta representatividade

Do grupo de 50 pessoas integrantes da vídeoconferência, destacou-se o elevado grau de representatividade dos participantes. Integraram o debate online os presidentes Marcos Procópio (Associação Comercial), Artur Almeida (CDL), Helder Campos (Sinduscon), Érico Feitosa, do Sindicato de Habitação (Secovi), além do diretor Renato Lago, da FIEP. Como presidentes de sindicatos, integraram o debate José do Nascimento Coelho (Comerciários) e Giovanni Freire (Sintab). Por parte do Ministério Público Estadual, a promotora Adriana Amorim; os procuradores Marcela Asfora e Raulino Maracará, pelo MPT-PB e a procuradora Acácia Soares, do Ministério Público Federal.

Da equipe de Romero Rodrigues, tiveram participação na vídeoconferência os secretários Filipe Reul (Saúde), Tovar Correia Lima (Planejamento), Rosália Lucas (Desenvolvimento Econômico), Rivaldo Rodrigues (Procon), além dos adjuntos Raymundo Asfora Neto (Saúde) e Felipe Gadelha (Finanças) e do superintendente Félix Araújo Neto (STTP). O ex-deputado estadual Bruno Cunha Lima também acompanhou o debate. O infectologista Rodolpho Dantas, mais uma vez, fez uma exposição técnico-científica sobre o quadro sanitário em Campina Grande, sob a perspectiva do avanço do Covid-19 na cidade, alertando pela necessidade de não haver neste momento flexibilização nas medidas de isolamento social.

Em linhas gerais, dos integrantes da vídeoconferência, apenas o presidente da CDL, Artur Almeida – que defendeu a abertura sob controle do comércio de rua e a manutenção do fechamento temporário dos shoppings e galerias – e o empresário Renato Lago se posicionaram parcialmente contra a medida, mas terminaram por acatar a decisão da maioria em favor da manutenção do isolamento social por tempo determinado em Campina Grande.

Continue Lendo

Negócios

Por decreto, prefeitura prorroga fechamento de estabelecimentos comerciais em João Pessoa

Publicado

em

A Prefeitura de João Pessoa prorrogou, em publicação divulgada nesta sexta-feira (03), o decreto que assegura o fechamento de shoppings, cinemas, academias, salões de beleza, casas de show, parques de diversões, bares e restaurantes. A medida, válida por mais 15 dias, também prevê a suspensão temporária de congressos e exposições, além do funcionamento de clubes sociais. A decisão foi tomada depois de reunião do Núcleo Intersetorial de Prevenção ao Coronavírus. As aulas na rede municipal permanecem suspensas até o dia 18 de abril, data passível de prorrogação.

A prorrogação do decreto segue o que prevê as recomendações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde, além da experiência de isolamento social adotada por outros países. “Sabemos que os próximos dias serão decisivos para evitar a propagação do vírus. É ainda mais importante ficar em casa e seguir com todas as recomendações de higiene. Ninguém queria adotar medidas tão duras neste momento, mas elas serão decisivas para João Pessoa continuar salvando vidas”, disse o prefeito. O documento aborda, ainda, a prorrogação da suspensão do transporte público, anunciado ontem pelo gestor pelas redes sociais, preservando as linhas para profissionais de saúde.

A Prefeitura de João Pessoa segue adotando medidas sociais e econômicas durante o período de isolamento social. Com o plano de proteção social #SomosMaisFortes, 23 mil pessoas beneficiadas com a distribuição de alimentos em creches e escolas integrais e mais de 3 mil refeições são distribuídas, por dia, nos restaurantes populares e nas cozinhas comunitárias. Pessoas em situação de rua receberam kits de higiene e parte das famílias nesta condição estão recebendo auxílio-aluguel. “Suspendemos o pagamento que empresários precisariam fazer ao Banco Cidadão e demos início à distribuição de cestas nutricionais, ação que será intensificada a partir da próxima semana”, explicou o prefeito.

Reforço na rede de saúde – A Prefeitura de João Pessoa também ampliou o número de leitos no Hospital Santa Isabel, referência municipal no enfrentamento do vírus para adultos, e no Hospital Infantil do Valentina, voltado para crianças e adolescentes. O encaminhamento de pacientes vem sendo feito por meio da Central de Orientações (3218.9214), com atendimento realizado por médicos em regime de plantão.

Continue Lendo