Nos acompanhe

Negócios

Câmara de Lucena aprova mudança de horário de eventos comemorativos e fomenta economia na cidade

Publicado

em

Vereadores da Câmara Municipal de Lucena aprovaram, pela maioria dos votos, Projeto de Lei n°10/2019, que visa a mudança de horário de festas comemorativas do município.

Segundo o projeto, os eventos que encerravam às 2h da manhã, passariam para às 4h, em festas oficiais do calendário como Natal, Ano Novo, Carnaval, Festa do Coco, abertura de verão, emancipação política, entre outros. Além da extensão do horário dos festejos, a inciativa também possui o objetivo de melhorar o comércio de Lucena, diante do maior volume de pessoas no município fomentando a economia.

O vereador Cláudio das tintas ressalta que em dias de festejos a quantidade de pessoas duplica na cidade. “Estamos cumprindo nosso papel de escutar a população e zelamos por interesses coletivos”, disse. “A aprovação dessa Lei vai fomentar o turismo e com certeza melhorar o comércio em Lucena”, completou.

A emenda segue para análise, sanção ou veto do prefeito Marcelo Monteiro.

Assessoria de Imprensa

Continue Lendo

Negócios

Custo da construção civil na PB encerra 2019 com segunda menor variação do país

Publicado

em

O custo da construção civil na Paraíba encerrou 2019 com uma alta de 1,53%, a 2ª menor variação do país e a mais baixa do Nordeste, no ano, de acordo com o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgado nesta sexta-feira (10), pelo IBGE. O percentual ficou abaixo da média nacional, de 4,03%, e da região, de 2,92% e seguem a dinâmica do último estudo, divulgado em novembro, com os dados de novembro.

Em dezembro, o índice variou 0,33% no estado e o custo médio do metro quadrado alcançou o maior valor no ano para a Paraíba, de R$ 1,101,57. Em janeiro de 2019, esse montante era de R$ 1,087,02. A variação em relação ao mês de novembro foi a 5ª maior do Brasil e a 3ª da região, destaca publicação do Jornal da Paraíba.

Do custo médio com o metro quadrado, conforme o levantamento, a maior parte, R$ 624,71, foi direcionada para gastos com materiais, o que representa 56,71% do total. Já as despesas com mão de obra somaram R$ 476,86, em dezembro.

O valor de R$ 1.101,57 foi o terceiro maior da Região Nordeste, atrás apenas do estado do Maranhão, em que o montante foi R$ 1.115,34, e do Piauí, R$ 1.101,61. No contexto geral do Brasil, o custo médio do metro quadrado no último mês foi de R$ 1.158,81.

Continue Lendo

Negócios

Justiça condena Cagepa a pagar R$ 11,8 milhões em favor da construtora Sanccol

Publicado

em

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) foi condenada a pagar o valor de R$ 11,8 milhões (atualizado até 30.05.2018) em favor da empresa Sanccol Saneamento Construção e Comércio Ltda. A decisão foi proferida pelo juiz Gutemberg Cardoso Pereira, da 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital, nos autos da Ação Ordinária de Cobrança nº 0831015-44.2018.8.15.2001.

A empresa alegou que celebrou com a Cagepa o Contrato nº 036/2008, oriundo da Concorrência nº 001/08, cujo objeto consistia na execução das obras de ampliação do sistema de abastecimento de água nos Municípios de João Pessoa e Santa Rita, com valor inicial de R$ 17.459.540,31. O contrato seria cumprido em 630 dias consecutivos, contados a partir da data da assinatura, o que ocorreu em dois de abril de 2008. Assim, o termo final do contrato seria em 23 de dezembro de 2009.

Ocorre que ao longo da execução do contrato, a empresa teria enfrentado inúmeros obstáculos que lhe impediram de imprimir um ritmo regular às obras, desde a falta de liberação de frentes de obra, falta de regularização fundiária e indefinições de projeto, demora nos ajustes de quantidades e preços que se fizeram necessários, bem como, os atrasos nos pagamentos e nas medições, que causaram a quebra do equilíbrio econômico-financeiro do contrato, destaca publicação do TJPB.

A Sanccol relata que por conta da grande quantidade de interferências na obra, o contrato original necessitou ser aditado por 20 vezes, tanto para fins de rerratificação contratual, como também para fazer acréscimo de valores e serviços em planilha e prorrogação de prazo de vigência do contrato. Diante disso, as obras sofreram prorrogações substanciais de mais de 1.920 dias devido a atrasos causados pela contratante, elevando o prazo total do contrato para 2.550 dias.

Diante dessa situação, a empresa afirma que os acréscimos de prazos e atrasos verificados no decorrer da obra desequilibrou a equação econômico-financeira inicialmente pactuada pelas partes, trazendo enormes prejuízos, pois implicou em drástica perda de produtividade e aumento significativo nos custos de Administração local da obra, encargos complementares e da manutenção do canteiro de obras.

Na contestação, a Cagepa alegou que a empresa deveria pleitear o reajuste econômico- financeiro do contrato até a data de prorrogação da avença, ao contrário, incidiria a renúncia tácita desse direito, ou seja, não discutir as questões atinentes à manutenção do equilíbrio financeiro, o contratado perde o direito. Alegou, ainda, pela imperícia e negligência contratual por parte da contratada em vários aspectos descritos na ação. Ao final, pugnou pela realização de perícia, bem como, pela total improcedência dos pedidos.

Sobre o pedido de perícia técnica, o juiz Gutemberg Cardoso destacou a total impossibilidade do pleito, pelo fato de não mais existir rastro, marcas definidoras de imprudência.

Analisando o mérito da demanda, o magistrado afirmou que, diante da prova produzida e acostada aos autos, foi a própria Cagepa que deu causa aos diversos problemas que geraram paralisações no andamento das obras. “Assim, deve-se assegurar o equilíbrio econômico financeiro como sendo uma vertente em todo contrato administrativo, sendo observado de forma fundamental e essencial pelos acordantes”, ressaltou.

Da decisão cabe recurso.

Continue Lendo

Negócios

Hospital Alberto Urquiza Wanderley recebe certificação inédita na Paraíba

Publicado

em

O cliente da Unimed João Pessoa tem mais uma garantia de que seu atendimento é seguro e focado no bem-estar. É que o Hospital Alberto Urquiza Wanderley recebeu uma certificação internacional inédita na Paraíba, na área de Tecnologia da Informação. A divulgação oficial aconteceu nesta quinta-feira, 16, no auditório do Hospital.

A unidade hospitalar agora é validada no modelo de maturidade Emram estágio 6, da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS). Isso significa que a Tecnologia da Informação utilizada tem o mesmo nível que os melhores hospitais no mundo. No Brasil, apenas outros 21 hospitais têm a mesma certificação.

A Unimed João Pessoa está investindo em tecnologia para os Serviços Hospitalares da Cooperativa. Isso acontece para que todo o atendimento ao paciente, desde sua admissão até sua alta, seja feito da maneira mais segura possível.

Tecnologia para saúde

A evolução da Tecnologia da Informação está presente no dia a dia da equipe do Hospital Alberto Urquiza. Um desses exemplos é o aplicativo que dá mais segurança no atendimento ao paciente que precisa de transfusão de sangue, coletar exames de laboratório e doar ou receber leite materno. Esse aplicativo, desenvolvido pela equipe de Tecnologia da Informação do Hospital, possibilita que os recipientes com leite, sangue e material para laboratório recebam um código de barras ou QRCode.

Após escaneadas, todas as informações aparecem no telefone celular, garantindo mais segurança e otimizando o tempo dos profissionais envolvidos. Tudo isso de forma integrada, utilizando o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP).

Sustentabilidade

Essas mudanças implantadas também ajudam na sustentabilidade da Cooperativa e na preservação do meio-ambiente. Em um período de 18 meses, oito milhões de folhas de papel deixaram de ser impressas e armazenadas. Com esta redução, estima-se que pelo menos 800 árvores deixaram de ser derrubadas.

A utilização do PEP gera muito mais que economia em papel, ele impacta diretamente no atendimento ao paciente. No sistema, todos os profissionais envolvidos no atendimento têm acesso a guias de internação, relatórios médicos, histórico de atendimento e demais documentos emitidos eletronicamente, relacionados ao mesmo paciente, seja da internação atual ou antiga. Tudo isso com segurança da informação garantida.

Também eletronicamente, há a checagem de exames e medicamentos beira leito, barreiras para evitar eventos de alergia e a interação medicamentosa. Todos os processos livres de papel.

Certificação Himss

Todo o processo para receber a certificação HIMSS – a mais desejada quando o assunto é Tecnologia da Informação em Saúde – é voluntário. Esta é a primeira vez que o Hospital Alberto Urquiza se submeteu a esta avaliação e já conseguiu atingir o nível 6, quando a escala de avaliação chega a sete.

Ter esta validação garante que todos os processos do hospital estão utilizando as boas práticas de Tecnologia da informação alinhada à saúde. “É de extrema importância que possamos contar com inovações tecnológicas para o atendimento do nosso paciente. O Hospital Alberto Urquiza sempre foi pioneiro em utilizar novas tecnologias e ser referência em equipamentos modernos e cirurgias de alta complexidade. O cliente da Unimed João Pessoa sempre é beneficiado com nosso pioneirismo. Ser o primeiro hospital da Paraíba com a certificação HIMSS é mais uma conquista não apenas nossa, mas um benefício para todos os paraibanos”, disse o Gestor de Serviços Hospitalares, Norberto de Castro Nogueira Filho.

A HIMSS é uma associação internacional com o objetivo principal de estimular o uso da Tecnologia da Informação(TI) pelo setor da Saúde.

Continue Lendo