Nos acompanhe

Brasil

Daniella emprega parente que ‘não trabalha’ no Senado com rendimentos de mais de R$ 14 mil

Publicado

em

Após a repercussão negativa do pedido de ressarcimento da compra de um sorvete por R$17, da senadora Daniella Ribeiro, ao Senado Federal, e do jantar com Vips da sociedade campinense bancados pelo Senado no renomado restaurante The W de Campina Grande, vem à tona nova polêmica. Daniella teria contratado para seu gabinete Yuska Mariz Galvão, prima da sua nora, estudante em tempo integram em Campina Grande, não tendo, portanto, tempo para exercer sua função como comissionada de Daniella no Senado Federal.

Segundo consta no portal da Transparência do Senado, Yuska Mariz Galvão, prima da nora da senadora Daniella Ribeiro, exerce o cargo em comissão de Assistente Parlamentar Pleno, com vencimentos de R$ 14.339,83. Chama a atenção o detalhe de Yuska Mariz ser estudante de odontologia em tempo integral em Campina Grande, portanto não exerce carga horaria de trabalho como assessora da senadora.

Daniella Ribeiro foi a única senadora da Paraíba que pediu ressarcimento com locação de carro para andar no próprio estado. De acordo com o portal da transparência do Senado, Daniella pediu o ressarcimento de R$ 25.840 pela locação de um Chevrolet Tracker por 4 meses. Veja detalhes dos gastos de Daniella no link da Transparência do Senado: https://www6g.senado.leg.br/transparencia/sen/5998/ceaps/3/?ano=2019#conteudo_transparencia

Jantar com celebridades – Observando o portal da transparência do Senado, nota-se que existe um pedido de ressarcimento de R$ 420, no restaurante The W, Campina Grande. Na ocasião, Daniella teria jantado com membros da alta sociedade campinense. https://www6g.senado.leg.br/transparencia/sen/5998/ceaps/3/detalhe/120327?mesAno=04/2019

Continue Lendo

Brasil

Congresso pressiona governo para derrubar cobrança de bagagens de aéreas

Publicado

em

A cobrança de bagagens pelas companhias aéreas voltará a ser alvo de pressão contrária do Congresso. Cinco meses após o parlamento ter chancelado a cobrança em voos domésticos, deputados querem rever a situação. A justificativa é que o mercado doméstico continua concentrado em apenas três empresas, sem que nenhuma nova companhia de baixo custo, as chamadas “low cost”, esteja operando rotas internas. Pesa ainda a avaliação, entre os parlamentares que viajam semanalmente pelo Brasil, de que as passagens continuam caras.

Em setembro do ano passado, deputados decidiram – com 247 votos a favor e 187 contra – manter o veto do presidente Jair Bolsonaro ao trecho da medida provisória que derrubava a cobrança da taxa de bagagem. Senadores não chegaram a votar, destaca reportagem do Estadão.

A posição da Câmara refletia a pressão do setor aéreo, com a justificativa de que haveria entrada de empresas de baixo custo no setor. Ocorre que isso ainda não aconteceu e hoje há, inclusive, dúvidas sobre quando haverá novas companhias atuando com voos domésticos no País. “Vamos ter de agir, não tem jeito. Isso já virou um engodo”, afirma o deputado Celso Russomano (Republicanos-SP). O parlamentar é autor de projeto que impede a cobrança de bagagem pelas companhias aéreas.

No ano passado, no dia da votação do veto, o líder da Maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse que o projeto de Russomano poderia ser retomado. “O desafio que quero fazer é, se no início do ano, em fevereiro, não tivermos empresa de low cost operando, votaremos o projeto do deputado Celso Russomano”, disse Ribeiro, em setembro de 2019.

Clique AQUI e confira a reportagem completa

Continue Lendo

Brasil

Efraim: ‘Tributária está em ritmo de corrida de 100 metros e administrativa é maratona’

Publicado

em

Novo líder do DEM na Câmara, o deputado federal Efraim Filho (PB) defende o apoio à aprovação das reformas no Congresso e não tem dúvidas em afirmar que a discussão tributária está numa situação muito mais avançada do que a administrativa. No caso da administrativa, ele acredita que a iniciativa da proposta caberia ao governo federal e lamenta que, por “omissão ou inércia”, isso não tenha ocorrido até agora.

Para Efraim, o Congresso até pode liderar também essa discussão, como tem feito na questão tributária. Mas entende que é preciso esperar que o governo dê essa sinalização clara de que não deseja enfrentar o tema, destaca entrevista do BR Político, do Estadão.

Clique AQUI e confira a entrevista completa

Continue Lendo

Brasil

Congresso adia votação de veto sobre orçamento impositivo para depois do Carnaval

Publicado

em

Após impasse na sessão da última quarta-feira (12), ficou para depois do Carnaval a análise do veto à proposta que torna obrigatória a execução das emendas orçamentárias do relator-geral do Orçamento. Pelo texto vetado, as emendas passariam a ser executadas seguindo as indicações e ordem de prioridade definidas pelos autores.

Há disposição da maioria dos partidos para derrubar o trecho vetado e restabelecer o Orçamento impositivo, mas partidos como PSL, Psol, Podemos e Novo se manifestaram contra a derrubada do veto. Parte dos parlamentares cobra a regulamentação do dispositivo por um novo projeto antes da derrubada do veto.

O presidente do Senado e da Mesa do Congresso, Davi Alcolumbre, marcou uma reunião de líderes para a próxima terça-feira, às 10 horas, e determinou que o veto só seja votado após o Carnaval.

“Espero que a gente possa chegar ao entendimento na próxima terça, para estabelecer um cronograma para a votação dos vetos e do projeto para cumprimento dos acordos”, disse Alcolumbre.

Ele também afirmou que a intenção é criar um acordo que permita a derrubada do veto e a aprovação do projeto que regulamenta a medida na mesma sessão.

Regulamentação
O líder do Novo, deputado Paulo Ganime (Novo-RJ), afirmou que é importante especificar melhor como será esse orçamento impositivo. “É preciso ter clareza de como isso vai ser definido, para que a gente não tenha a concentração na mão de uma pessoa [o relator do Orçamento] que não foi eleita primeiro-ministro”, disse.

Relator do Orçamento de 2020, o deputado Domingos Neto (PSD-CE) afirmou que o adiamento vai permitir esclarecer aos parlamentares o alcance da medida e negou que haveria concentração de poder na mão do relator.

“O relatório do Orçamento não é feito da cabeça de um só, nem chega ao seu final sem a participação ativa da Câmara, do Senado, das comissões temáticas, das bancadas estaduais, das bancadas temáticas e dos relatores setoriais – tudo dividido proporcionalmente pelo Regimento”, afirmou Domingos Neto.

Ele ressaltou ainda que a medida gera transparência no uso dos recursos públicos e que as emendas do relator são negociadas com os ministros.

“Você vai conhecer muito mais de perto a execução do Orçamento desta forma do que se o ministro sozinho escolher quais os municípios serão atendidos ou quais estados serão beneficiados. O orçamento impositivo é vitória do Congresso”, afirmou.

O senador Alvaro Dias (Pode-PR), no entanto, disse que o adiamento dificilmente fará o partido mudar de posição quanto ao veto. “Não seremos convencidos pelos foliões”, afirmou.

Para o senador Major Olímpio (PSL-SP), se não for regulamentado, o orçamento impositivo vai engessar completamente a administração pública. “Em termos de administração pública, é um grande escracho”, criticou.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também criticou a medida, que classificou como a criação de um “parlamentarismo branco”. Ele alertou para a repercussão do tema nas próximas administrações. “É preciso regulamentar os recursos que ficarão sob o relator”, disse.

Continue Lendo