Nos acompanhe

Negócios

Projeto Algodão Paraíba é tema de evento em Alagoa Grande

Publicado

em

O Dia Especial sobre o Projeto Algodão Paraíba, realizado na quarta-feira (17), em Alagoa Grande, no Brejo paraibano, reuniu dezenas de agricultores familiares interessados no cultivo do algodão orgânico, atraídos principalmente pelas vantagens oferecidas, como garantia de mercado, sementes selecionadas e acompanhamento técnico da Empresa Paraibana de Pesquisa, Assistência Técnica e Regularização Fundiária (Emaper).

O evento, promovido pela gerência regional da Empaer de Guarabira, ocorreu na comunidade Tapera, pertencente ao agricultor Marcos Vitorino de Souza, em uma Unidade Demonstrativa de Teste, com área de dois hectares de algodão herbáceo orgânico consorciado com milho, gergelim, fava e girassol. A variedade cultivada é a BRS – 286 e a perspectiva de produção é estimada em 400 quilos para o algodão, em torno de 300 a 400 para a fava e 200 para o girassol.

Conduzido pelos técnicos Paulo Luis e Hudson de Sousa, da gerência operacional da Empaer de Alagoa Grande, o Dia Especial, além de apresentar o Projeto Algodão Paraíba aos agricultores e autoridades presentes, demonstrou todos os aspectos técnicos da cultura, dentro dos princípios da agroecologia, a partir do preparo do solo até a comercialização.

Na ocasião, o escritor e historiador José Avelar fez uma explanação histórica sobre o algodão e o sisal no município, culturas que, segundo ele, impulsionaram por muitas décadas, o desenvolvimento econômico na Paraíba, principalmente em Alagoa Grande, até o aparecimento da praga do Bicudo, que devastou os campos de algodão, levando à falência milhares de produtores rurais. “Os paraibanos comemoram a retomada da cultura do algodão de forma sustentável, por meio do Projeto Algodão Paraíba, idealizado pelo Governo do Estado, por intermédio da Empaer”, ressaltou.

Prestigiaram o evento, além dos agricultores, representantes do Banco do Nordeste, da Câmara Municipal de Vereadores, de associações rurais e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS).

Continue Lendo

Negócios

PBGás conecta mais um empreendimento comercial ao gás natural

Publicado

em

Mais um empreendimento comercial resolveu aderir ao gás natural. O Bar do Cuscuz, em João Pessoa, agora é um cliente da Companhia Paraibana de Gás (PBGás). O restaurante passou a utilizar gás natural em sua cozinha e já vem desfrutando das vantagens operacionais do energético como o fornecimento contínuo, a segurança e a economia.

Com a inclusão do Bar do Cuscuz em sua carteira de clientes, a PBGás já abastece 289 empreendimentos comercias de João Pessoa e Campina Grande, nos mais variados segmentos da prestação de serviços. O Bar do Cuscuz deverá consumir 3 mil metros cúbicos de gás por mês, funcionando durante todos os dias da semana com a garantia de fornecimento contínuo do gás natural 24h, todos os dias da semana.

Para a diretora presidente da PBGás, Tatiana Domiciano, ter um restaurante com o conceito e o sucesso do bar do Cuscuz ligado ao gás canalizado representa muito para a Companhia, que tem a missão de fomentar a economia e a sustentabilidade nas empresas paraibanas. Tatiana acrescentou que está dentro da meta da companhia para os próximos dois anos também levar a rede de gás natural para o centro de Campina Grande beneficiando outros empreendimentos comercias e em João Pessoa com a chegada da rede ao Jardim Oceania, Bessa e Bairro dos Estados.

De acordo com o gerente de mercado residencial e comercial da PBGás, Marco Coutinho, o fornecimento contínuo do gás natural canalizado, sem a necessidade de reabastecimento por caminhões e o ganho de espaço no empreendimento com a retirada do depósito de gás são algumas das vantagens para os empreendimentos que utilizam o gás canalizado. “O alto conceito do Bar do Cuscuz em culinária regional e qualidade no atendimento agora ganha também no conceito de empreendimento ambientalmente responsável ao utilizar um energético mais limpo”, completou.

Continue Lendo

Negócios

Mais de 36 mil clientes da classe rural poderão perder benefício na tarifa de energia elétrica

Publicado

em

Mais de 36 mil clientes rurais de 71 cidades paraibanas têm até o dia 31 de outubro para garantirem o benefício de até 90% de desconto na tarifa de energia elétrica. A meta estabelecida para 2019 foi de atualizar os cadastros de 53 mil unidades consumidoras, mas até o momento pouco mais 15 mil clientes fizeram o processo, ou seja, apenas 31,77%.

A ação começou em junho e é uma iniciativa do Governo Federal e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O objetivo é garantir a manutenção de até 90% de desconto na tarifa de energia elétrica para as unidades consumidoras que exercem atividade agrícola e rural, ligados à irrigação e aquicultura. Para atualizar o cadastro e manter o benefício, o consumidor rural precisa comparecer a uma agência de atendimento da Energisa com alguns documentos que podem ser conferidos no site www.recadastramentoenergisa.com.br ou pelo telefone 0800 083 0196.

Os clientes dos 71 municípios estabelecidos para recadastro neste ano estão sendo convocados por meio de cartas. A classe rural inclui as categorias: agropecuária rural ou urbana; residência rural; cooperativa de eletrificação rural; agroindustrial; escola agrotécnica; aquicultura e irrigante. A previsão de finalização do recadastramento em todo estado é 2021.

Na Paraíba, o recadastro está sendo realizado exclusivamente nas agências da Energisa, por meio de convocação por região. Para 2019, serão passarão pelo recadastramento 71 cidades (lista abaixo).  As demais cidades farão o recadastramento em 2020, e a lista com a convocação das cidades e o calendário com as datas de recadastro para cada região serão divulgadas em janeiro de 2020.

Confira as cidades convocadas para o recadastramento rural até o dia 31 de outubro de 2019 na PB:

AGUA BRANCA
AGUIAR
APARECIDA
AREIA DE BARAUNAS
BERNARDINO BATISTA
BOM JESUS
BOM SUCESSO
BONITO DE SANTA FE
BREJO DOS SANTOS
CACHOEIRA DOS INDIOS
CACIMBA DE AREIA
CACIMBAS
CAJAZEIRAS
CAJAZEIRINHAS
CARRAPATEIRA
CATINGUEIRA
CATOLE DO ROCHA
CONDADO
COREMAS
DESTERRO
EMAS
IGARACY
IMACULADA
JERICO
JOCA CLAUDINO
JURU
LAGOA
LASTRO
MAE D AGUA
MALTA
MANAIRA
MARIZOPOLIS
MASSARANDUBA
MATO GROSSO
MATUREIA
MONTE HOREBE
NAZAREZINHO
OLHO D AGUA
PASSAGEM
PATOS
PIANCO
POCO DANTAS
POCO DE JOSE DE MOURA
POMBAL
PRINCESA ISABEL
QUIXABA
RIACHO DOS CAVALOS
SANTA CRUZ
SANTA HELENA
SANTA LUZIA
SANTA TERESINHA
SAO BENTINHO
SAO DOMINGOS
SAO FRANCISCO
SAO JOAO DO RIO DO PEIXE
SAO JOSE DA LAGOA TAPADA
SAO JOSE DE ESPINHARAS
SAO JOSE DE PIRANHAS
SAO JOSE DE PRINCESA
SAO JOSE DO BONFIM
SAO JOSE DO SABUGI
SAO MAMEDE
SERRA GRANDE
SOUSA
TAVARES
TEIXEIRA
TRIUNFO
UIRAUNA
VARZEA
VIEIROPOLIS
VISTA SERRANA

Continue Lendo

Negócios

R$ 4 milhões: Superintendente do Detran, Agamenon Vieira credencia empresa sem processo licitatório

Publicado

em

O superintendente do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN-PB), Agamenon Vieira, participou no último sábado (14) de premiação oferecida pela empresa VSoft Informática, conforme publicado em perfil no Instagram do próprio órgão de trânsito.

O post na rede social chamou a atenção, uma vez que a empresa VSoft foi contratada pelo próprio Agamenon Vieira para prestar serviços no DETRAN-PB, sem processo de licitação, e que deveria ter seus serviços fiscalizados pelo próprio Departamento Estadual de Trânsito. Mas as coincidências não param por aí.

Em contato com o RádioBlog, uma fonte do próprio Departamento Estadual de Trânsito informou que Agamenon Vieira editou, meses após assumir a chefia do DETRAN-PB, portaria 070/2017, credenciando empresa para “desenvolvimento e disponibilização de sistema eletrônico de anotação, transmissão e recepção dos relatórios de avaliação de aulas de prática de direção veicular, no âmbito do Estado da Paraíba”. A empresa agraciada, sem procedimento licitatório, foi a VSoft Informática Ltda.- ME, inscrita sob o CNPJ 03.776.595/0001-60.

Ainda segundo informações da fonte, o procedimento de credenciamento resultou na cobrança de R$ 2,99 por cada aula prática aos futuros motoristas que pretendem retirar o documento de habilitação no Estado da Paraíba. De acordo com Código de Trânsito, são necessárias ao menos 20 aulas práticas para obter a Carteira Nacional de Habilitação, consequentemente, cada cidadão paraibano candidato a retirar CNH passou a pagar R$ 59,60 à empresa VSoft.

Segundo levantamento feito no site do próprio DETRAN, somente nos anos de 2017 e 2018 a Paraíba teve um acréscimo de aproximadamente 67 mil novos condutores habilitados, que resultou num lucro aproximado de R$ 4 milhões à empresa VSoft Informática, que tem como sócio administrador o empresário paraibano Daniel Targino.

 

Auditoria: João Azevedo envia aliado ao Denatran para levantar informações sobre o Detran-PB

Fonte do Governo do Estado informou ao RádioBlog que o governador João Azevedo enviou um aliado ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em Brasília. O objetivo, realizar um levantamento de documentos, decretos, contratos, entre outros, que possam subsidiar o Governo a respeito da atual situação no órgão, na Paraíba.

“João está buscando fazer o certo, levantar o que está errado, corrigir e punir os envolvidos”, disse a fonte ao RádioBlog.

Calvário

Segundo informações já veiculadas pelo RádioBlog, uma das novas e bombásticas revelações de Livânia Farias em delação ao Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco/MPPB), se referem a agentes públicos e contratos no Detran. A expectativa é de que nos próximos dias a Paraíba tenha acesso detalhadamente às informações prestadas pela ex-secretária, presa na Operação Calvário e que atualmente cumpre medidas cautelares.

Informações extraoficiais indicam que, em sua última sessão de delação, a ex-secretária Livânia Farias teria entregado um esquema de propinas no Detran, além de envolver parentes próximos de figurões do Estado. O caso envolveria a contratação de empresas de forma irregular e ao arrepio da legislação e contra orientação do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).

Ainda de acordo com informações, Livânia não teria acesso direto ao esquema do Detran, haveria outros “operadores qualificados para tocar as operações”.

Continue Lendo