Nos acompanhe

Negócios

Café Imobiliário convida corretores brasileiros a iniciarem carreira internacional

Publicado

em

Com o objetivo de levar conhecimento sobre negócios imobiliários aos profissionais do mercado brasileiro, a Elite International Realty promoverá a 4ª edição do Café Imobiliário, em parceria com os fundadores do projeto de mesmo nome.

A intenção do evento é ensinar os caminhos a percorrer na compra de um imóvel no exterior, com workshops que serão realizados, de 1º a 7 de outubro, no luxuoso Acqualina Resort & Spa, em Sunny Isles, Miami.

O encontro possibilitará vários insights aos participantes, que poderão criar reais oportunidades na terra do Tio Sam, com dinâmicas do mercado de Miami e dicas de especialistas.

A iniciativa virou uma referência para corretores que buscam avançar em suas carreiras e ganhar comissões em dólar. “Em muitos casos, os clientes já estão com o dinheiro fora do país e investindo em opções menos rentáveis. Nós os ajudamos a encontrar maior valorização do seu capital, de forma segura”, afirma Léo Ickowicz, sócio da Elite International Realty.

Existem possibilidades de investir a partir de 120 mil dólares e esse montante compra imóveis de melhor qualidade e com potencial de valorização maior do que em algumas regiões do Brasil, segundo Ickowicz.

Aqueles que participaram das primeiras edições do Café já estão fazendo negócios na rota Brasil-Estados Unidos, provando que é um investimento para o profissional que deseja uma carreira internacional. As vagas são limitadas e haverá também visitas técnicas.

Continue Lendo

Negócios

Transplante: Hospital Alberto Urquiza faz captação de três órgãos de uma única paciente

Publicado

em

Referência em procedimentos de alta complexidade na Paraíba, o Hospital Alberto Urquiza Wanderley realizou, na última quinta-feira (22), uma captação de múltiplos órgãos para transplantes. Foram captados fígado, rins e córneas de uma mulher de 58 anos, que teve o diagnóstico de morte encefálica, e a família autorizou a doação.

A cirurgia de captação de órgãos é complexa. Para a realização, é necessário um hospital estruturado e uma equipe bem treinada e preparada. “O hospital da Unimed João Pessoa tem toda a estrutura de equipamentos e centro cirúrgico para que essa captação seja um sucesso. Além disso, conta com uma equipe de saúde especializada e experiente”, declarou o cirurgião Cássio Virgílio, coordenador médico dos transplantes do Hospital Alberto Urquiza Wanderley.

A forma que o órgão é captado vai repercutir diretamente no transplante. Para que o procedimento ocorra da melhor forma para o receptor do órgão, é preciso que a captação seja feita de modo correto.

Antes da captação dos órgãos, as equipes prestaram uma homenagem à doadora. Em reverência à paciente, os profissionais formaram um corredor no Centro Cirúrgico do Hospital Alberto Urquiza e fizeram uma oração silenciosa. Eles também agradeceram à família por ter autorizado a doação.

Importância da doação – Cássio Virgílio afirmou que viabilizar transplantes é um compromisso da Unimed JP com a população da Paraíba. “Mesmo sabendo que o transplante com os órgãos captados não seria feito no nosso hospital, por uma questão de respeito à fila de pacientes esperando um órgão, não poupamos esforços”, disse.

O médico destacou a importância de as famílias doarem os órgãos para que vidas sejam salvas. “É preciso que as pessoas doem os órgãos de seus entes queridos para que esse trabalho seja feito”, pediu.

Transplante – O transplante mais recente realizado no Hospital Alberto Urquiza Wanderley ocorreu no dia 15 deste mês. O aposentado Martinho Fialho de Sousa, de 71 anos, recebeu um fígado novo, depois de quase dois anos de espera. Sexta-feira (23), ele teve alta do Hospital Alberto Urquiza para ir para casa ser cuidado pelos filhos, netos e bisnetos.

Emocionado, agradeceu à família do doador e deixou uma mensagem: “Doem órgãos para que outras pessoas recebam do jeito que recebi. Hoje, estou curado, graças a Deus”, disse.

A filha dele, Flávia Sousa, também fez um apelo para que as pessoas informem que são doadoras às suas famílias. “Digam em vida aos seus familiares que vocês desejam doar os órgãos. No final de tudo, são as famílias que decidem. E essa decisão pode mudar para melhor a vida de uma família como a minha”, ressaltou.

Pioneirismo – O Hospital Alberto Urquiza Wanderley, unidade própria da rede de atendimento da Unimed JP, é pioneiro na realização desse tipo de procedimento na Paraíba. O primeiro transplante de fígado ocorreu em 8 de junho de 2004. Hoje, já são 77. A unidade também foi a primeira a realizar transplante de coração, sendo o primeiro no dia 23 de maio de 2004.

Sobre a Unimed JP – Com 49 anos de tradição, a Unimed João Pessoa é uma cooperativa de trabalhos médicos que se consolidou como a melhor e maior operadora de planos de saúde da Paraíba. Além de mais de 1,8 mil médicos cooperados, possui a mais completa rede de assistência médico-hospitalar privada do Estado. São diversos hospitais credenciados, sendo dois próprios – um deles referência em alta complexidade -, além de clínicas, prontos-socorros e laboratórios à disposição de 150 mil clientes. Comprometida com o desenvolvimento sustentável, é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). Tudo isso garante à Unimed JP a liderança absoluta no segmento de saúde suplementar no mercado paraibano. Acesse www.unimedjp.com.br.

Outras informações:
Instagram: @unimedjoaopessoa
LinkedIn: /company/unimed-joao-pessoa
Facebook: /unimedjoaopessoa
Twitter: @unimed_jp

Continue Lendo

Negócios

Especialista indica a maneira mais correta de comunicar uma má notícia no ambiente hospitalar

Publicado

em

Ninguém gosta de transmitir uma má notícia, mas, em algumas ocasiões, é necessário. A comunicação de notícias ruins a pacientes e seus familiares em um ambiente hospitalar é ainda mais difícil. Por isso, deve ser feita de forma afetiva e assertiva. O tom de voz, a postura, a empatia com o paciente e a clareza nas informações são fundamentais nessa hora. É preciso que o profissional de saúde crie um ambiente de conforto emocional, mostrando interesse, compreensão e desejo de ajudar em todos os momentos do atendimento, não apenas no momento da má notícia.

A explicação é do médico intensivista Nolan Palma, especialista em cuidados paliativos do Hospital Alberto Urquiza Wanderley. Para ele, comunicar uma má notícia é apenas parte de um processo que começa bem antes. “Para chegar neste ponto, de ter uma comunicação afetiva e assertiva, o paciente e o familiar devem ser bem acolhidos. E isso tem que iniciar desde o primeiro contato deles com o hospital, mesmo que seja um paciente de pronto atendimento”, explicou. “É preciso ter acolhimento, comunicação efetiva e escuta qualificada e ativa”, afirmou.

Nolan Palma chamou a atenção para o fato de que, atualmente, o médico não é mais o centro da convivência com o paciente. “Não é só o médico que dá a má notícia”, pontuou. Esse processo, segundo ele, está descentralizado. “Toda a equipe deve estar apta. Por isso, tem que ter um planejamento multidisciplinar e um trabalho anterior”, esclareceu.

Perfil do paciente – Muita gente pode pensar que uma má notícia em um ambiente hospitalar seria apenas o óbito, mas ela envolve muito mais. Pode ser o diagnóstico de uma doença grave, uma doença crônico-degenerativa, uma falha terapêutica ou mesmo os efeitos colaterais de um tratamento. “O paciente tem o direito de saber o que está acontecendo com ele. Alguns familiares pensam que, escondendo informações, podem diminuir o sofrimento. Isso é o que chamamos conspiração do silêncio”, disse.

O médico explicou ainda que se o profissional de saúde falar o que tem que ser falado de maneira correta, poderá ajudar o paciente a ter uma melhor qualidade de vida. “Assim, nós conseguimos junto com o paciente, organizar o pensamento, deixando-o ciente do que vai acontecer, fazendo com que o planejamento e as melhores estratégias sejam seguidos também por ele, promovendo uma melhor qualidade de vida”, disse.

Não existe uma fórmula 100% correta para dar uma notícia ruim, conforme o especialista. Segundo ele, cada paciente tem suas particularidades e isso deve ser levado em consideração. “Temos que conhecer o paciente além da doença, o seu perfil, o que ele gosta, como ele se relaciona com as pessoas, sua família e o entendimento dele quanto ao adoecimento”, enfatizou.

Treinamento – A necessidade de aprimorar a habilidade em discutir más notícias com os pacientes e seus familiares deve ser uma prioridade na formação dos profissionais. Para alinhar as estratégias ao dar uma má notícia, o Hospital Alberto Urquiza Wanderley, unidade própria da Unimed João Pessoa, promoveu o treinamento “Comunicação de más notícias”, aberto a todas as equipes assistenciais. Segundo a direção da unidade, o objetivo foi deixar a equipe ainda mais treinada para um atendimento próximo, humanizado.

Sobre a Unimed JP – Com 49 anos de tradição, a Unimed João Pessoa é uma cooperativa de trabalhos médicos que se consolidou como a melhor e maior operadora de planos de saúde da Paraíba. Além de mais de 1,8 mil médicos cooperados, possui a mais completa rede de assistência médico-hospitalar privada do Estado. São diversos hospitais credenciados, sendo dois próprios – um deles referência em alta complexidade -, além de clínicas, prontos-socorros e laboratórios à disposição de 150 mil clientes. Comprometida com o desenvolvimento sustentável, é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). Tudo isso garante à Unimed JP a liderança absoluta no segmento de saúde suplementar no mercado paraibano. Acesse www.unimedjp.com.br.

Outras informações:
Instagram: @unimedjoaopessoa
LinkedIn: /company/unimed-joao-pessoa
Facebook: /unimedjoaopessoa
Twitter: @unimed_jp

Continue Lendo

Negócios

MPF na Paraíba prorroga trabalho remoto até 1ª de agosto de 2021

Publicado

em

O trabalho remoto nas seis unidades do Ministério Público Federal (MPF) na Paraíba foi prorrogado até 1º de agosto de 2021, com exceção das atividades administrativas essenciais, de manutenção do funcionamento com segurança das unidades, incompatíveis com o teletrabalho. Elas continuam presenciais por meio de escalas de trabalho. A prorrogação do trabalho remoto foi definida por meio da Portaria PR/PB nº 137, assinada em 22 de julho de 2021, pelo procurador-chefe Sérgio Rodrigo Pimentel de Castro Pinto.

O retorno gradual das atividades presenciais ocorrerá no dia 2 de agosto, mantendo-se a redução do número de pessoas em circulação nas sedes do órgão, diante da necessidade de conter a propagação da covid-19 e de preservar a saúde dos integrantes do órgão e da população. De acordo com a Portaria PR/PB nº 153, de 23 de julho de 2021, que regulamenta o retorno, as atividades presenciais serão, preferencialmente, exercidas por servidores, funcionários terceirizados e estagiários que já tenham sido plenamente vacinados com as 1ª e 2ª doses ou com a dose única, a depender do imunizante, decorrido o tempo de resposta de três semanas, sem prejuízo da possibilidade de concessão de teletrabalho.

Atendimento continua online – Com esse cuidado, o atendimento ao público externo será mantido ainda pela via remota, preferencialmente, por telefone e mensagem eletrônica. Apenas haverá atendimento presencial em casos excepcionais e quando estritamente necessário, mediante prévio agendamento. A Sala de Atendimento ao Cidadão (SAC) utilizará, de forma prioritária, o MPF Serviços, disponível à população na internet, por meio do endereço mpf.mp.br/mpfservicos e nos celulares smartphones através do aplicativo MPF Serviços.

Os telefones de contato com todas as unidades do Ministério Público Federal na Paraíba estão disponíveis na página do órgão, na internet: mpf.mp.br/pb.

O atendimento à imprensa continuará por meio remoto, através da Assessoria de Comunicação.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal na Paraíba
Telefone fixo: (83) 3044-6258
WhatsApp: (83) 9.9132-6751 (exclusivo para atendimento a jornalistas – das 10h às 17h)
Telefone para atendimento ao cidadão em geral: (83) 9.9108-0933 (das 8h às 15h)
Twitter: @MPF_PB
Youtube: MPFPB

 

Continue Lendo