Nos acompanhe

Negócios

Agricultoras de Acauã geram renda com fabricação de bolos e biscoitos

Publicado

em

Depois de receber a assistência e o acompanhamento do Governo do Estado, por meio da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, a exemplo de boas práticas, um grupo de 13 mulheres agricultoras residentes no Assentamento Acauã, localizado no município de Aparecida, no Sertão, estão consolidando projeto na fabricação de seus produtos e já comercializam aos programas governamentais.

Utilizando espaço cedido pelo Instituto Beda, por meio do Projeto Ecofort, onde atuava um grupo de freiras integrantes da Comunidade Religiosa Irmãs da Sagrada Família, além da Comissão Pastoral da Terra, que encerraram suas atividades, as agricultoras iniciaram uma nova atividade montando estrutura para a fabricação de produtos originados da agricultura, com a inclusão ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

As mulheres agricultores começaram a implantação de uma cozinha para a fabricação de produtos, inicialmente, com apoio de entidades ligadas à Igreja, no entanto, somente em janeiro deste ano, após o apoio e o acompanhamento do Governo do Estado efetivado pela Empaer de Aparecida foi que se registraram as primeiras vendas e comercialização nas feiras livres. No momento, todo o recurso obtido é revertido na melhoria das condições das instalações.

Depois de terem conseguido instalar o forno e outros equipamentos seguindo todas as normas de fabricação, estão produzindo bolos e seis tipos de biscoitos. O grupo de mulheres envolvidas fez curso de boas práticas realizado pela extensionista social Ana Cristina da Silva Soares, sempre buscando a melhoria da qualidade dos produtos oferecidos aos consumidores.

A pequena indústria de fabricação de bolos e biscoitos funciona em três expedientes, conforme o tempo disponível de cada mulher, sendo grupos com quatro integrantes.

A Associação dos Agricultores do Assentamento Acauã é presidida pela agricultora Maria do Socorro Gouveia, que atua desde o início da implantação do assentamento, onde está localizada. Ainda quitando dívidas, as mulheres fabricantes de bolos de Acauã compraram forno industrial e estão buscando ampliar as atividades porque consideram que se trata de um negócio que está obtendo êxito.

“Trabalhamos como grupo de economia solidária, onde todos os recursos adquiridos com as vendas foram aplicados na implantação do projeto”, comentou Socorro Gouveia, revelando que a Empaer tem prestado uma boa contribuição ao projeto, e assessorando para a comercialização ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Para aproveitamento da produção de frutas da região, o grupo também produz polpa que abastece o mercado. As vendas para o Pnae são nas cidades de Aparecida e Sousa.

Continue Lendo

Negócios

Agora é Lei: Empresa ‘ficha suja’ está proibida de participar de licitações na Paraíba

Publicado

em

A Lei 11.365/2019, de autoria do deputado Eduardo Carneiro (PRTB), publicada nesta quarta-feira (19) no Diário Oficial do Estado, proíbe que pessoas jurídicas envolvidas em ações criminais praticadas contra a administração pública, possam participar de processos licitatórios no Estado da Paraíba.

Segundo Eduardo Carneiro, o Brasil tem sido alvo de investigações jamais vistas em momento anterior da sua história. Casos de corrupção têm sido comum na vida pública brasileira e a Lei tem o objetivo de suplementar a legislação federal com vistas a endurecer ainda mais, com sanções administrativas, aqueles que forem envolvidos em práticas ilícitas contra a administração pública.

“Precisamos ‘fechar o cerco’ contra a corrupção e criar mecanismos que possam impedir os praticantes de crimes dessa natureza de permanecerem atuando na administração pública. Esse é um mal que precisa ser cortado pela raiz. Não pode mais haver espaço nas gestões para corruptos. Ou a gente protege o erário com leis rígidas ou nada avança ”, comentou.

Eduardo lembrou que esse mesmo princípio foi adotado no Projeto de Lei 53/2019,  que impede a contratação de pessoas condenadas na lei de Ficha Limpa de serem contratadas para cargos no primeiro e no segundo escalão no Governo do Estado. “Este projeto foi vetado pelo governador. A lógica é a mesma. Agora esperamos a revogação desse veto”, lembrou.

Contratos – De acordo com Eduardo Carneiro, a Lei  11.365/2019, impede ainda que as empresas condenadas em crimes contra a administração pública, sejam impedidas de também firmarem contratos de qualquer ordem com o governo estadual.

A nova lei prevê que caberá aos órgãos da administração direta e indireta verificar se as empresas interessadas em participar dos procedimentos licitatórios do poder público possuem, em seus quadros societários, sócios com condenação de crimes praticados contra a administração pública em decisão confirmada em órgão judicial colegiado.

 

Continue Lendo

Negócios

Mandado de Segurança garante contratação de escritório via inexigibilidade de licitação

Publicado

em

O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) considerou, por meio de voto do desembargador Leandro dos Santos, ao Mandado de Segurança 0001842-31.2017.815.0000, regular a contratação de advogado por inexigibilidade de licitação pelo Município de São Miguel de Taipú. A decisão afastou ato do Presidente da Primeira Câmara do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), que havia determinado a suspensão do pagamento de honorários advocatícios por meio de cautelar.

O escritório Paraguay Ribeiro Coutinho Advogados Associados, Sociedade de Advogados, impetrou um Mandado de Segurança junto ao TJPB para recorrer da decisão da Primeira Câmara do TCE, que havia acatado o entendimento do relator, o conselheiro substituto Renato Sérgio, para suspender o contrato celebrado entre o escritório e a Prefeitura de São Miguel de Taipú.

Porém, no voto, o desembargador Leandro dos Santos disse, observando o teor do Mandado de Segurança, “que fica evidente que não se exige, na espécie, que o escritório que apresentou a ação seja o único prestador possível dos serviços advocatícios. Simplesmente, não é essa a exigência que a Lei de Licitações faz” Para ele, o fundamento para a inexigibilidade de licitação utilizado neste caso específico, é o constante no artigo 25, II, da Lei de Licitações.

“Os pressupostos legais, para a inexigibilidade no caso, são dois: singularidade objetiva do objetivo a ser contratado e especialmente subjetiva da pessoa contratada; e a não singularidade subjetiva, ou seja, haver somente um escritório de advocacia habilitado na matéria. Insistir nesse ponto é francamente posicionar-se contra o texto expresso de lei”, atestou o desembargador no voto.

Com base nos argumentos, o desembargador concordou com o voto do relator que demonstra a presença de diversos precedentes judiciais em favor da tese defendida pelo escritório que impetrou a ação, isto é, corroborando a estrita legalidade da contratação via inexigibilidade de licitação de serviços advocatícios singular por sociedade.

Continue Lendo

Negócios

Assembleia aprova projeto que proíbe a cobrança da taxa de religação da água

Publicado

em

O consumidor paraibano obteve uma notícia que agrada o seu bolso. Foi aprovado na manhã desta terça-feira (18), na Assembleia Legislativa, o projeto de lei que versa sobre a proibição da cobrança da taxa de religação dos serviços de abastecimento de água e esgoto sanitário em caso de suspensão (o corte). O dispositivo é direcionado à população de baixa renda, e foi apresentado pelo deputado estadual Felipe Leitão (DEM).

Por ampla maioria de votos, o projeto foi aprovado, explicando Felipe Leitão que “não está se criando nenhuma despesa, nem onerando o Estado. Aqui é um projeto de lei, e quem me conhece sabe disso; é para aqueles que mais precisam”, discorreu o parlamentar na tribuna da Casa de Epitácio Pessoa.

Felipe Leitão lembrou o constrangimento e as dificuldades quando a água é cortada por falta de pagamento, observando que a taxa de religação “é matar quem já está morto”. Ele salientou que o consumidor, ao ficar inadimplente, e não conseguir pagar o débito por não ter recursos, ao normalizar sua situação na Companhia de Água e Esgoto (Cagepa), ainda tem que arcar com a taxa de religação.

“Depois que ele (o consumidor) obtiver o dinheiro, ou através de um empréstimo, ou fez um ‘bico’ e conseguiu pagar e religar a sua água, ainda é penalizado com a taxa de religação que custa seis vezes mais do que a tarifa social, pois esse projeto é só para aqueles que pagam a tarifa social; aqueles que realmente mais precisam. Então eu acho uma injustiça, e nós estamos reparando, nós estamos corrigindo essa distorção que há hoje por parte da Cagepa com os consumidores de baixa renda”, justificou Felipe Leitão.

O deputado ainda observou que praticamente não haverá impacto orçamentário na arrecadação da Cagepa, pois o projeto visa tão somente os consumidores de baixa renda. Na sua fala, Leitão pediu o apoio dos colegas para a aprovação da matéria, o que de fato ocorreu, obtendo o apoio, inclusive, do bloco de oposição.

Agora o Projeto de Lei 127/2019 segue para aprovação ou veto  do governador João Azevedo. “O projeto está bem embasado juridicamente, tem papel social, por isso estou confiante que o governador João Azevedo, homem sensível com as causas do povo, sancione o projeto”, observou Leitão.

Continue Lendo