Nos acompanhe

Paraíba

Insegurança: Um mês após o ataque ao Presídio PB-1 obras de reparo estão paradas

Publicado

em

Pouca coisa mudou no presídio PB1, em Jacarapé (João Pessoa), um mês após a unidade ser invadida por bandidos, que resgataram quatro presos e permitiram a fuga de outros 88 detentos. O presídio de segurança máxima não ofereceu resistência ao ataque e, em cerca de 20 minutos, 92 presos saíram por um dos portões principais. Após a fuga, representantes do Governo do Estado falaram em providências para reforçar a segurança do presídio, mas o acesso à unidade continua com muita facilidade.

Segundo o secretário executivo de Administração Penitenciária, João Paulo Barros, o PB1 está recebendo reforço na estrutura frontal, com construção de paredes de concreto para evitar perfurações de tiros de grosso calibre, como aconteceu no dia do resgate. “Também mudamos o armamento dos policiais que ficam nas guaritas e estamos reforçando a iluminação no entorno do presídio”, disse. Quanto ao efetivo, o secretário disse que o número já é suficiente para fazer a segurança da unidade, informa reportagem do Correio da Paraíba.

Em uma visita ao PB1, a reportagem do Correio constatou que, de fato, está sendo construída uma parede com cerca de 40cm de espessura e um vão preenchido de concreto. No entanto, nos locais onde a parede já foi concluída e está sendo pintada com a cor do prédio, o reforço tem pouco mais de um metro de altura. Em outro trecho a parede chega a cerca de dois metros de altura, revestindo a estrutura original.

No alojamento dos policiais militares que fazem a segurança externa do presídio e os plantões das guaritas, a construção do reforço na parede está paralisada. Sem se identificar, um dos militares contou que faltou material e não há previsão de quando o serviço será concluído. “O que percebemos é que eles estão em suas casas, em segurança com suas famílias e não estão preocupados com a vida dos pais de família que estão aqui. Estamos pedindo ao nosso comandante assuma esse serviço e providencie material para terminar, porque corremos muito risco aqui no dia da fuga”, reclamou.

O alojamento foi a parte do presídio que ficou mais vulnerável aos tiros disparados pelo bando que atacou a unidade. É o primeiro compartimento visto por quem chega ao local. Na parte de cima do muro, onde ficam as guaritas e uma passarela entre elas, não foi feito nenhum reforço. Essa parte foi onde mais os bandidos atiraram durante o ataque. Um policial precisou deitar no chão, por quase 20 minutos, para não ser atingido pelos tiros, que atravessaram as paredes.

O armamento utilizado nas guaritas foi trocado pela PM, por armas mais modernas, mas os policiais ainda reclamam da pouca quantidade.

“No dia da fuga a gente só tinha o “pau de fogo” (apelido do FAL – fuzil automático leve, que precisa de acionamento de um ferrolho para cada disparo a ser feito). Agora trouxeram esse fuzil 556, que também não dá rajada de tiro, como acontece com o armamento dos bandidos. Mas pelo menos é semi-automático. O problema é que só tem um por guarita e cada guarita só tem 90 munições. Aqui no dia da fuga, foram recolhidos mais de mil cartuchos. Além disso, quando vamos trocar de serviço, entregamos o fuzil para o companheiro que assume e descemos para o alojamento só com a pistola”, contou outro militar, que também não quis ser identificado. O armamento das guaritas é de responsabilidade da PM e a reportagem não conseguiu contato com o comando do 5º Batalhão, responsável pelo policiamento do PB1.

No portão por onde os presos fugiram, escolhido estrategicamente pelo bando por ser o acesso mais frágil, nada foi modificado. Por ele, usando apenas um alicate tesoura, semelhante ao que foi usado na fuga, é possível entrar no presídio e ir até os pavilhões. “Os tiros e a explosão do portão principal foram apenas para intimidar o efetivo que fazia a guarda do presídio. Porque para entrar e resgatar os presos, eles precisaram apenas desse alicate”, explicou um PM.

No acesso ao presídio também não houve mudança, como instalação de barreiras físicas que impeça veículos de trafegar em alta velocidade. O secretário João Paulo disse que isso ainda está sendo estudado.

Medo de novo ataque

Um mês após o ataque, o clima é de apreensão entre os policiais que fazem a guarda do presídio. Segundo informação de um dos PMs, confirmada também por um agente penitenciário, que não quis se identificar, a Secretaria de Administração Penitenciária decidiu juntar no PB1 todos os assaltantes que têm ligação com o bando que atacou a unidade e resgatou os presos. “Tinha aqueles que foram presos aqui na orla, que ajudaram no resgate e outros que estavam presos em Campina Grande foram transferidos para cá. Temos uns 30 assaltantes de banco aí dentro”, disse um PM.

Por conta disso, existe um temor que aconteça um novo resgate. Nesses 30 dias, homens já foram vistos dentro da mata, olhando para o presídio. “Dia desses a cachorrinha que vive aqui começou a latir para a mata. Um companheiro se aproximou e viu que tinha um grupo no mato. Efetuou três disparos e ouvimos barulho de motos saindo em velocidade. Acionamos a viatura da área que cercou pelo outro lado e ouvimos quando as motos passaram de volta, fugindo da viatura. Já nos chegou informações de que haveria outro resgate. Estamos aqui esperando”, disse.

Relembre

A presídio de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes (PB1), localizado em Jacarapé, João Pessoa, foi atacado na virada da noite do dia 9 para o dia 10 do último mês de setembro. Um grupo estimado em 15 homens, armados com fuzis e uma metralhadora calibre ponto 50, instalada em cima de uma caminhoneta, cercou a unidade e atirou, durante cerca de 20 minutos, nas guaritas e na torre de vigia, que fica acima da entrada principal. Também explodiram o portão principal da unidade prisional. Enquanto isso, parte do bando, usando um alicate tesoura, cortou os arames da cerca de fora, os cadeados do portão lateral, por onde veículos de suprimentos, cortaram a cerca interna e chegaram aos pavilhões, onde abriram os cadeados com o mesmo alicate.

Fazendo esse caminho inverso, 92 presos fugiram, quatro deles integrantes de uma quadrilha que pratica roubo a bancos, presos no município de Lucena, Litoral Norte do Estado, após roubar um carro-forte, no mês de agosto. Esse grupo era o alvo do resgate. Os demais presos aproveitaram a abertura das celas para escapar.

Continue Lendo

Paraíba

Wilson Filho é eleito presidente da Comissão de Orçamento para o biênio 2019-2020

Publicado

em

A Comissão de Acompanhamento e Controle da Execução Orçamentária (CACEO) será presidida pelo deputado Wilson Filho (PTB) no biênio 2019-2020. Ele foi eleito pelos seus pares para comandar uma das comissões mais importante da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

“Fico muito feliz pelos membros da Comissão [de Orçamento] terem escolhido o meu nome. O meu compromisso será de democracia [na análise dos projetos de lei] assim como foi na escolha das comissões”, garantiu o líder do blocão.

Dentre as atribuições da Comissão está analisar e dá parecer favorável ou contrário a projetos de leis que impactam nas finanças do Estado. É de responsabilidade da CACEO, inclusive, analisar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) enviada pelo Executivo e ainda definindo o orçamento do Governo do Estado para o ano vindouro.

Wilson destacou ainda a maneira amigável com a qual as comissões foram definidas, com todos os deputados mantendo os seus compromissos firmados.

“De forma muito amigável, sem existir uma única disputa para presidência e vice-presidencia, essa Casa deu exemplo de palavra, de proporcionar condição de trabalho para todos”, comemorou.

Continue Lendo

Paraíba

Lucas se reúne com equipe do Centro de Referência para discutir utilização de emenda impositiva

Publicado

em

Para garantir que as emendas impositivas à Lei Orçamentária Anual (LOA), para o exercício de 2019, sejam mais rapidamente executadas, o vereador Lucas de Brito (PV) tem buscado se reunir com as entidades beneficiadas com os recursos. Nesta quarta-feira (20), o parlamentar encontrou-se com a equipe que administra o Centro de Referência Municipal de Inclusão para Pessoas com Deficiência (CRMIPD), em João Pessoa, no intuito de viabilizar um projeto o qual será apresentado à Secretaria de Saúde.

Participaram do encontro as coordenadoras Juliana Teixeira Coelho e Nadja Núbia Serrano que ouviram do parlamentar as explicações relacionadas à emenda. A intenção, conforme explicou Lucas, é levar até à Secretaria de Saúde o planejamento de como a emenda impositiva será utilizada pelo Centro, atendendo à demanda da população que utiliza o espaço.

“Fiz a visita para pedir às coordenadoras a elaboração do Plano de Execução dos R$ 80 mil para levarmos ao secretário Adalberto Fulgêncio. Esperamos, com isso, agilizar a liberação da verba para auxiliar em algumas questões estruturais e de pessoal”, explicou Lucas de Brito. Para a coordenadora Juliana Teixeira, a emenda vai ajudar muito o serviço oferecido pelo Centro. “É uma oportunidade para melhorar alguns serviços e ampliar outros que disponibilizamos aqui”, destacou.

Emenda Impositiva – A emenda elaborada pelo Gabinete do parlamentar prevê R$ 80 mil ao Centro de Referência por meio da Secretaria de Saúde. O valor pode ser aplicado em despesas de custeio e de capital. O local promove a habilitação e a reabilitação, através de serviços especializados, de crianças, adolescentes e jovens com deficiência, distúrbio de comportamento e/ou aprendizagem, buscando dar-lhes condições para o exercício pleno de sua cidadania.

Continue Lendo

Paraíba

Camila é escolhida presidente da Comissão dos Direitos da Mulher na Assembleia Legislativa

Publicado

em

A deputada estadual Camila Toscano (PSDB) vai presidir a Comissão dos Direitos da Mulher na Assembleia Legislativa da Paraíba pelo próximo biênio. A parlamentar defende um debate amplo e formulação de políticas públicas que garantam emprego e renda, com o objetivo de tirar a mulher do ciclo de violência. Outra pauta levantada pela tucana é a questão da punição de agressores e a melhor tipificação de crimes como feminicídio.

“Precisamos de alternativas de emprego e renda para que as mulheres tenham independência e não dependam do seu companheiro. Vamos fazer esse debate e buscar alternativas viáveis para esse grave problema”, disse.

Outro tema que preocupa a parlamentar é o aumento dos casos de feminicídio. De 2009 a 2018, um total de 1.083 mulheres foram assassinadas na Paraíba. Em 2018, o número chegou a 84 mortes. Muitos desses casos acabam não sendo classificados como feminicídio, mesmo se tratando desse tipo de crime, conforme destaca a deputada. Feminicídio é o assassinato de uma mulher cometido por razões da condição de sexo feminino e a pena prevista para o homicídio qualificado é de reclusão de 12 a 30 anos.

“Ano passado, tivemos um avanço quando 89 processos que têm mulheres como vítimas na Paraíba foram reclassificados como casos de feminicídio pelo Tribunal de Justiça do estado (TJPB). Vamos atuar na comissão também buscando justiça, proteção para as mulheres, melhor tipificação de crimes de feminicídio”, destaca.

Além da parlamentar tucana, a comissão permanente é composta por Estela Bezerra (PSB), Pollyanna Dutra (PSB), Felipe Leitão (DEM) e Dra Paula (PP), que será vice.

Quem é Camila –Camila Toscano foi eleita deputada estadual pela primeira vez em 2014, sendo em 2018, reeleita para a sua segunda legislatura. Natural de João Pessoa, com raízes familiares em Guarabira, no brejo paraibano, ela é advogada e cresceu no meio da política acompanhando a atuação dos pais: a ex-deputada Léa Toscano e o ex-deputado Zenóbio Toscano, atual prefeito de Guarabira. Filiada ao PSDB, ocupou a função de vice-presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ).

Continue Lendo