Nos acompanhe

Paraíba

Dia do Fico: Ricardo, Cartaxo e Romero seguem gestos de Ronaldo e Burity

Publicado

em

“Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, digam ao povo que fico.” Na história oficial do Brasil, nessas palavras de Dom Pedro I, ficou registrado o “Dia do Fico”, em dia 9 de janeiro de 1822, em que desobedecendo as ordens da Corte Portuguesa, que exigia o seu retorno a Portugal, decidiu permanecer no Brasil. A situação política iniciou-se quando Portugal planejara transformar o Brasil, então Vice-Reinado, novamente numa colônia. Foi um passo importante para Dom Pedro depois declarar a independência do país, destaca reportagem do Jornal da Paraíba.

Com a redemocratização do Brasil e a reintrodução das eleições diretas, o prazo de desincompatibilização de cargos do Poder Executivo obrigou governantes e auxiliares a se afastarem, seis meses das eleições, para concorrerem a cargos eletivos. Todavia, se alguns gestores deixam os cargos, outros permanecem para concluírem os mandatos. Estes protagonizam o Dia do Fico. Em 2018, o dia fatal foi 7 de abril, uma vez que o pleito vai ocorrer em 7 de outubro.

Na Paraíba, três gestores cotados, a priori, para disputar cargos majoritários nas eleições de deste ano proclamaram o Dia Fico, seguindo o gesto, em 1986 , do então prefeito de Campina Grande, Ronaldo Cunha Lima, abrindo mão de disputar o governo para permanecer na chefia do Pode Executivo local. No segundo mandato de governador, Tarcísio Burity ficou até o fim no mandato. Já o então governador José Maranhão renunciou ao mandato, em 2002, para disputar o Senado, sendo eleito.

O fico de Ricardo

No segundo mandato, o governador Ricardo Coutinho (PSB) tinha o nome defendido para concorrer ao Senado Federal, mas preferiu ficar no Palácio da Redenção, frustrando a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), que tinha a expectativa de assumir o poder disputar, no cargo, o Executivo estadual. O socialista durante entrevista cravou: “A ninguém se daria o direito de achar que a Paraíba teria um novo Governo. As coisas não caem do céu”. No cargo, é o principal cabo eleitoral do ex-secretário João Azevedo (PSB), pré-candidato ao governo.

O fico de Cartaxo

Antes de Ricardo, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, que trocou o PSD pelo PV, já tinha manifestado seu “Dia do Fico”. Sem o apoio unificado da oposição ao seu nome, Luciano desistiu de concorrer ao governo. Ele frustrou o vice-prefeito Manoel Júnior (PSC), que sonhava em assumir a prefeitura. “Concluir na íntegra o meu mandato até o dia 31 de dezembro de 2020 é uma demonstração de coragem, demonstração de compromisso com o nosso povo, com a nossa cidade”, declarou à imprensa e aliados”, pontuou Luciano. Ele vai apoiar o seu irmão, Lucélio Cartaxo (PV), ao Palácio da Redenção.

O fico de Romero

Já o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), protagonizou o “Dia do Fico”, em 7 de abril. Ele também era cotado para disputar o governo, mas não recebeu das forças da oposição no tempo oportuno para o desencanto do vice-prefeito Enivaldo Ribeiro. “Diante da dinâmica dos fatos recentes nessa reta final do prazo oficial para desincompatibilização do cargo, sem poder dispor de um tempo suficiente para dialogar com a cidade e seus segmentos sobre um passo tão delicado e complexo, comunico minha decisão de permanecer na Prefeitura, continuando a dividir a responsabilidade da gestão com o companheiro leal, solidário, íntegro e comprometido de alma com Campina Grande: o vice-prefeito Enivaldo Ribeiro”, justificou Romero em carta aos campinense. Ele declarou apoio a Lucélio Cartaxo e vai tentar emplacar sua esposa, Micheline Rodrigues, na vice.

O fico de Ronaldo

Após ser vereador e deputado estadual, Ronaldo Cunha Lima foi eleito prefeito de Campina Grande, em 1968. Todavia, ele só ficou 43 dias no cargo, tendo o mandato cassado pelo regime militar. No ano de 1982, ele se candidatou novamente a prefeito da Rainha da Borborema, sendo eleito. Além de vitorioso, ganhou mais dois anos de mandato, por conta de uma emenda que prorrogou mandatos, a fim de assegurar a coincidência no calendário eleitoral que nunca avançou no país. Em 1986, chegam às eleições para governador e o nome de Ronaldo é lançado pelo PMDB campinense e lideranças de outras regiões. O senador Humberto Lucena também estava no páreo.

Para disputar o Palácio da Redenção, Ronaldo tinha que renunciar ao cargo de prefeito. Após muitas articulações e reuniões, ele convocou a população para anunciar sua posição. No Parque do Povo, pediu aos presentes que opinassem. No final do pronunciamento, afirmou: “Eu devo renunciar a meu mandato de Prefeito. Tenho até meia-noite para me decidir. Mas para atender à vontade do meu povo, fico. Ficarei até o fim governando Campina Grande para bem servi-la. Aqui, no momento histórico da mais alta responsabilidade para minha vida política, para o destino de Campina Grande e da Paraíba, eu repito o que foi dito há muito tempo atrás, uma frase que ficou na história deste País: se Campina Grande pede e se é pela vontade deste povo, eu digo a este povo que fico”.

Ronaldo concluiu o mandato. Dois anos depois, foi eleito governador em 1990. Renunciou seis meses antes das eleições para disputar uma cadeira no Senado, sendo eleito. Depois, se elegeu deputado federal duas vezes. Ele morreu em 2012. Com o fico de Ronaldo em 1986, Humberto Lucena iniciou a pré-campanha, mas depois abriu mão da postulação para Tarcísio Burity, que se filiou ao PMDB para disputar o governo.

O sai e fica de Burity

Tarcísio Burity, por meio de eleição indireta, como ocorria à época, chegou a governador da Paraíba, em 1979, pela ARENA. Em 1982, renunciou ao cargo, para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, recebendo a segunda maior votação da história da Paraíba: aproximadamente 173 mil votos, sendo superado apenas por Pedro Cunha Lima nas eleições de 2014. Em novembro de 1986, foi eleito, mais uma vez, governador pelo PMDB (desta vez pelo voto popular) e permaneceu à frente do executivo paraibano até o final do mandato. Ele lançou na época João Agripino Neto para concorrer ao Palácio da Redenção. Depois, concorreu às eleições ao Senado, mas não obteve êxito. Burity faleceu em 2003.

Com Braga não teve fico

Com Wilson Braga, praticamente não teve “Dia do Fico”. Ele foi eleito governador do Estado em 1982, derrotando o saudoso Antonio Mariz. Em 1988, Braga elegeu-se prefeito de João Pessoa. Em 1990, renunciou ao cargo para a disputa ao governo do Estado da Paraíba, dando lugar ao vice-prefeito Carlos Mangueira. Braga foi derrotado no segundo turno por Ronaldo Cunha Lima. Para não ficar sem mandato durante esse período, Braga candidata-se a vereador de João Pessoa em 1992, sendo eleito. Renunciou ao mandato, em 1994, para assumir o cargo de deputado federal, sendo reeleito em 1998. Já em 2002, concorre a senador, mas foi derrotado. Depois, foi eleito deputado estadual, encerrando, em seguida, a carreira política.

Continue Lendo

Brasil

União cobra R$ 65 milhões de novos senadores

Publicado

em

Pelo menos 12 dos 54 senadores eleitos ou reeleitos devem, juntos, cerca de R$ 65 milhões à União. Segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) levantados pelo Jornal Estado de São Paulo (Estadão), os parlamentares estão inscritos na dívida ativa por pendências previdenciárias e outros tipos de tributo não pagos. O levantamento inclui dívidas vinculadas ao CPF dos eleitos e ao CNPJ de empresas das quais aparecem como sócios.

Só foram considerados os 54 senadores que saíram vitoriosos das urnas neste ano, quando os eleitores escolheram dois representantes por Estado. Eles se juntarão aos outros 27 parlamentares que já estão na Casa desde 2014, ano em que cada unidade da Federação elegeu um senador.

Além de dívidas com a União, alguns dos novos senadores também são alvo de ações na Justiça do Trabalho.Os processos são referentes, na maioria das vezes, a ex-empregados que alegam falta de pagamento de verbas de rescisão ou depósitos previdenciários por empresas em que os senadores têm participação societária. Veneziano, senador eleito pelo PSB da Paraíba, por exemplo, é réu em processo no Tribunal Regional do Trabalho da 13.ª Região, na Paraíba, de quando era prefeito de Campina Grande, em 2007.

Clique AQUI e confira a reportagem na íntegra

Continue Lendo

Brasil

Jair Bolsonaro condena mentiras e diz que não privatizará Hospitais Universitários

Publicado

em

O candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, rebateu em entrevista ao Correio Debate, da 98,3 FM, as acusações de adversários políticos de que em um eventual governo seu, vá privatizar hospitais universitários e acabar com o programa Bolsa Família. O presidenciável garantiu que tudo isso faz parte do jogo de mentiras criadas pelo PT.

Ele afirmou que é a favor da privatização de outras estatais, mas garante que, caso chegue à Presidência, os hospitais universitários, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Petrobras e outras estatais não serão privatizadas. Além disso, afirmou que vai ampliar o Bolsa Família, com a implantação do 13º salário para os beneficiários do programa, cujos recursos serão assegurados com o que será economizado nos desvios em casos de corrupção, destaca reportagem do Correio da Paraíba.

“A questão dos Hospitais Universitários é mais um ato de terrorismo praticado pelo PT, dizem que eu quero acabar com o Bolsa Família e o décimo terceiro, é mentira o tempo todo. O PT sem mentir não existe. Eles mudaram até as cores, não tem mais a cor vermelha, é verde e amarelo, tiraram a fotografia do Lula da página principal”, comentou.

De acordo com as acusações que estão sendo feitas pela oposição, pode ser classificada como uma onda de terror “junto às pessoas mais humildes”, por parte do PT, que segundo ele, precisa ganhar mais confiança, para assim ganhar mais votos. “Eu quero é paz, tranquilidade, empregos, abrir a economia, jogar pesado na segurança”, afirmou.

Estando a menos de duas semanas para o segundo turno, Bolsonaro disse que está sendo constantemente desafiado para debate pelo candidato do PT. “Estou me recuperando de um problema grave. Haddad quando era prefeito de São Paulo, ficou uma semana afastado por causa de uma rinite”, comentou.

Armamento

Sobre a proposta de armamento da população, ele acredita que é uma das saídas para o problema de segurança pública. “Quero o direito à posse não ao porte, é diferente”, explicou.

Bolsonaro disse que, nos últimos dias, o candidato derrotado no primeiro turno, Guilherme Boulos do Psol, teria ameaçado invadir a sua casa, dizendo que não parece muito produtiva. Ele se refere a uma declaração de Boulos em um ato público na última quarta-feira. “E agora qual deve ser o comportamento se um bando quer invadir a sua casa, se quiser fazer maldade com a nossa esposa e nossos filhos? Por isso eu quero dar a posse para que o cidadão de bem possa garantir que ninguém entre na sua casa”, argumentou.

Congresso no governo. Ao ser questionado sobre o papel do Congresso no seu governo, Bolsonaro criticou o apoio do PT à Venezuela e disse que “apagaram no site oficial o apoio” ao governo venezuelano e que “eles vivem frequentando Cuba e tem um amor por Fidel Castro e Raul Castro”.

Jair garante que seguirá a Constituição, e ainda disse que “militar é escravo da Constituição. Se não concordamos com alguma coisa, vamos apresentar uma proposta de emenda e resolver”, como no caso da proposta de redução da maioridade penal.

Críticas ao PT

Bolsonaro também criticou duramente a corrupção no PT. “Nunca, o Brasil, o mundo viu uma corrupção dessa magnitude. O PT comprou voto de parlamentares para aprovar seu projeto, e depois não contente, mesmo descoberto, entrou em uma outra grande corrupção chamada Petrolão”, comentou, afirmando que o PT diz respeitar a democracia, mas apoia o Governo da Venezuela.

Outro ponto contestado pelo candidato foi a “ideologia de gênero” nas escolas. “Escola é lugar da criança ser respeitada e aprender algo para o futuro, e não ficar ensinando sexo para a garotada”, declarou.

Continue Lendo

Negócios

Energisa lança cordel, com versão em braile, em comemoração aos 15 anos da Usina Cultural

Publicado

em

A noite de ontem, 16, foi de celebração na Usina Cultural Energisa. Em mais uma comemoração dos 15 anos do espaço, a empresa lançou um cordel sobre a história da Usina, com versão em braile. “Esse cordel comprova o quanto a arte é inclusiva. A literatura de folheto conta histórias com começo, meio e fim e a Usina Cultural é um lugar efervescente, gostoso de ocupar”, disse Marco di Aurélio, autor do cordel.

Alunos de oficinas do Instituto dos Cegos da Paraíba foram convidados para participar da cerimônia e fizeram uma apresentação musical. A programação incluiu a assinatura de um termo de doação de exemplares do cordel em braile para a instituição. A noite foi conduzida pelo repentista Oliveira de Panelas.

“Essa iniciativa valoriza o sistema em braile e incentiva a leitura. Com as mídias digitais e redes sociais, que os deficientes visuais têm acesso por meio de tradutores com áudio, o interesse deles pela leitura vem diminuindo”, ponderou o professor de música do Instituto do Cegos, Marco Lima.

Já o presidente da Energisa, André Theobald, destacou a satisfação de que a Usina cumpra seu propósito: ser acessível a todos e dar oportunidade à todas expressões artísticas. “Há um ano lançamos a conta de energia em braile e não podíamos parar nisso. Esse cordel ‘Usina Cultural 15 anos’ une a cultura nordestina e os deficientes visuais. Acreditamos que a cultura transforma pessoas, negócios, relações e a sociedade. É isso que queremos promover”, afirmou.

Continue Lendo