Nos acompanhe

Brasil

Crescimento da economia depende das eleições, diz CEO do Boticário

Publicado

em

O Grupo Boticário prevê fechar o ano com um crescimento em vendas de 6% em relação a 2016. Para 2018, a expectativa é manter o ritmo de expansão de 2017, ou seja, crescer o dobro da economia do país. A grande incógnita, na avaliação de Artur Grynbaum, presidente do grupo, é prever o desempenho de 2019.

“A grande questão é 2019, pois 2018 a gente já sabe que vai ter um bom desenvolvimento, que a economia tende a crescer mais do que em 2017. A dúvida é saber o que acontece a partir de 2019 mediante o resultado das eleições”, afirmou Grynbaum, segundo reportagem de Fabiana Futema, da Veja.

O executivo disse que a preocupação eleitoral não está ligada aos candidatos que se mostram mais competitivos nas pesquisas de intenção de voto. “A questão é sobre qual plano que se tem para o país. Acredito em empreendedorismo, geração de oportunidades, soluções para o longo prazo e não através de medidas específicas, de canetadas para correção. Me identifico com pensamentos que façam isso. Quem é a pessoa que vai ocupar, isso é a sociedade que tem que eleger.”

Reformas trabalhista e da Previdência

Para o crescimento do varejo, Grynbaum defendeu a adoção de formas de contratação previstas na reforma trabalhista, como o contrato intermitente. Segundo ele, essa modalidade de contratação permitirá a criação de vagas de emprego no varejo.

“O setor tem seus momentos dinâmicos ao longo do mês, da semana e seria importante poder readequar os quadros para isso. Sempre contratamos temporários em datas mais longas, como o Natal. Mas hoje não dá para contratar em períodos mais curtos, como dia das mães. Com a nova lei, adequando os quadros, será possível trazer mais gente.”

Segundo ele, o grupo ainda está se preparando para usar esse sistema de contratação. “Estamos aderindo. A lei foi divulgada e é preciso educar o parceiro para fazer da forma correta. Preciso trabalhar com temporário agora para depois dar esse passo.”

Grynbaum também defendeu a aprovação da reforma da Previdência e criticou as negociações que paralisam sua aprovação. “Todos nós sabemos que essa conta precisa ser alterada. E a demora para tomar essa decisão angustia o lado de cá. Todo mundo sabe o que tem que fazer e estão discutindo coisas que não têm a ver com o bem do país.”

Na avaliação do executivo, a aprovação dessa reforma é essencial para manter o ciclo de crescimento. “Os indicadores melhoraram bastante, a inflação está baixa, o PIB voltando a crescer, os juros caindo. As atitudes é que vão garantir o longo prazo, e a Previdência é fundamental. Passando a Previdência, e tomara que ela passe de maneira boa, todo mundo ganha.”

Segundo ele, os sinais de retomada econômica chegam de forma mais lenta aos consumidores. “Ele está recobrando a confiança. Antes, até o consumidor que estava empregado estava com mede de consumir. Agora, com a perspectiva de reajustes salariais somados à inflação mais baixa, começa a haver espaço na renda para investir no próprio consumo.”

A incógnita eleitoral faz com que o Grupo Boticário seja cauteloso na hora de fechar seus planos para o triênio. Em 2017, o grupo abriu 61 novas lojas, considerando as marcas O Boticário, quem disse, Berenice?, Eudora e The Beauty Box. Para 2018, o projeto é inaugurar de 60 a 70 novas lojas. A última delas foi aberta ontem no Rio de Janeiro com um novo conceito de atendimento. O formato valoriza a experiência do consumidor dentro da loja.

“Fizemos a primeira abertura desse formato, vamos trabalhar de forma segmentada, pois temos de ter vários modelos para diferentes praças. Esse modelo é adequado a mercados mais competitivos e que demandem maior conhecimento do produto”, afirmou Grynbaum.

Continue Lendo

Brasil

Wilson Santiago recusa convite para assumir ministério do Trabalho

Publicado

em

O ex-senador e presidente do PTB paraibano, Wilson Santiago, revelou em entrevista ao radialista Henrique Lima, do Sistema Correio de Comunicação, que apesar da cotação para assumir o ministério do Trabalho, substituindo Cristiane Brasil, não aceitará o cargo pois tem planos de disputar uma vaga no Congresso Nacional nas próximas eleições.

“Os partidos políticos indicam integrantes para ocuparem cargos que de fato estão à disposição, no nosso caso, tenho outros projetos, esse ano disputar as eleições”, disse. “Por disputar as eleições, não posso participar da escolha de nomes para nenhum cargo do governo”, completou.

Santiago disse ainda que assim que foi sondado sobre o assunto, imediatamente se posicionou. “Acho que o partido deve indicar alguns dos nomes que não estão com disposição de disputar a eleição em 2018”, afirmou.

Confira o áudio:

Continue Lendo

Brasil

Termina hoje prazo para defesa de Lula apresentar recurso contra decisão do TRF-4

Publicado

em

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem até as 23h59 de hoje para recorrer da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, que manteve a condenação do petista por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A pena ficou em 12 anos e 1 mês de prisão no caso do triplex do Guarujá. Como a decisão foi unânime, cabe apenas os embargos de declaração, informa reportagem da Agência Brasil.

Esses recursos não mudam a condenação. Os advogados podem apenas esclarecer eventuais dúvidas ou contradições da sentença.

Se os embargos forem rejeitados, a pena deve ser executada, e Lula seria preso.

Continue Lendo

Brasil

Decreto sobre intervenção federal no Rio de Janeiro chega ao Senado

Publicado

em

Foi protocolado no Senado, na manhã de hoje (20), o projeto de decreto legislativo (PDC 88/18), que trata da intervenção na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. A matéria foi aprovada por 340 votos favoráveis, 72 contrários e uma abstenção nesta madrugada pela Câmara dos Deputados. A sessão que vai analisar a proposta no Senado foi convocada para as 18h.

O decreto terá impacto na tramitação de propostas de emenda à Constituição (PECs), que, segundo já adiantou o presidente do Senado, Eunício Oliveira, vão ficar paralisadas enquanto durar a intervenção federal. “Enquanto perdurar a intervenção no estado do Rio de Janeiro, eu, Eunício Oliveira, presidente do Senado e do Congresso Nacional, não darei tramitação a nenhuma medida de mudança na Constituição, caso contrário eu estaria descumprindo a Constituição brasileira, que eu jurei cumprir. Não tramitará nenhuma mudança à Constituição do país”, afirmou o presidente do Senado.

Ainda segundo Eunício, que também preside os trabalhos do Congresso Nacional, são cerca de 190 as PECs que tramitam atualmente no Senado ou na Câmara.

Continue Lendo