Nos acompanhe

Brasil

Crescimento da economia depende das eleições, diz CEO do Boticário

Publicado

em

O Grupo Boticário prevê fechar o ano com um crescimento em vendas de 6% em relação a 2016. Para 2018, a expectativa é manter o ritmo de expansão de 2017, ou seja, crescer o dobro da economia do país. A grande incógnita, na avaliação de Artur Grynbaum, presidente do grupo, é prever o desempenho de 2019.

“A grande questão é 2019, pois 2018 a gente já sabe que vai ter um bom desenvolvimento, que a economia tende a crescer mais do que em 2017. A dúvida é saber o que acontece a partir de 2019 mediante o resultado das eleições”, afirmou Grynbaum, segundo reportagem de Fabiana Futema, da Veja.

O executivo disse que a preocupação eleitoral não está ligada aos candidatos que se mostram mais competitivos nas pesquisas de intenção de voto. “A questão é sobre qual plano que se tem para o país. Acredito em empreendedorismo, geração de oportunidades, soluções para o longo prazo e não através de medidas específicas, de canetadas para correção. Me identifico com pensamentos que façam isso. Quem é a pessoa que vai ocupar, isso é a sociedade que tem que eleger.”

Reformas trabalhista e da Previdência

Para o crescimento do varejo, Grynbaum defendeu a adoção de formas de contratação previstas na reforma trabalhista, como o contrato intermitente. Segundo ele, essa modalidade de contratação permitirá a criação de vagas de emprego no varejo.

“O setor tem seus momentos dinâmicos ao longo do mês, da semana e seria importante poder readequar os quadros para isso. Sempre contratamos temporários em datas mais longas, como o Natal. Mas hoje não dá para contratar em períodos mais curtos, como dia das mães. Com a nova lei, adequando os quadros, será possível trazer mais gente.”

Segundo ele, o grupo ainda está se preparando para usar esse sistema de contratação. “Estamos aderindo. A lei foi divulgada e é preciso educar o parceiro para fazer da forma correta. Preciso trabalhar com temporário agora para depois dar esse passo.”

Grynbaum também defendeu a aprovação da reforma da Previdência e criticou as negociações que paralisam sua aprovação. “Todos nós sabemos que essa conta precisa ser alterada. E a demora para tomar essa decisão angustia o lado de cá. Todo mundo sabe o que tem que fazer e estão discutindo coisas que não têm a ver com o bem do país.”

Na avaliação do executivo, a aprovação dessa reforma é essencial para manter o ciclo de crescimento. “Os indicadores melhoraram bastante, a inflação está baixa, o PIB voltando a crescer, os juros caindo. As atitudes é que vão garantir o longo prazo, e a Previdência é fundamental. Passando a Previdência, e tomara que ela passe de maneira boa, todo mundo ganha.”

Segundo ele, os sinais de retomada econômica chegam de forma mais lenta aos consumidores. “Ele está recobrando a confiança. Antes, até o consumidor que estava empregado estava com mede de consumir. Agora, com a perspectiva de reajustes salariais somados à inflação mais baixa, começa a haver espaço na renda para investir no próprio consumo.”

A incógnita eleitoral faz com que o Grupo Boticário seja cauteloso na hora de fechar seus planos para o triênio. Em 2017, o grupo abriu 61 novas lojas, considerando as marcas O Boticário, quem disse, Berenice?, Eudora e The Beauty Box. Para 2018, o projeto é inaugurar de 60 a 70 novas lojas. A última delas foi aberta ontem no Rio de Janeiro com um novo conceito de atendimento. O formato valoriza a experiência do consumidor dentro da loja.

“Fizemos a primeira abertura desse formato, vamos trabalhar de forma segmentada, pois temos de ter vários modelos para diferentes praças. Esse modelo é adequado a mercados mais competitivos e que demandem maior conhecimento do produto”, afirmou Grynbaum.

Continue Lendo

Brasil

Ideia era anunciar amanhã decisão sobre Previdência, diz líder do governo

Publicado

em

O líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), evitou nesta quarta-feira, 13, comentar declaração do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de que a reforma da Previdência só será votada em fevereiro de 2018. Sem confirmar nem negar, Ribeiro disse apenas que a ideia inicial era que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o presidente Michel Temer dessem coletiva conjunta nesta quinta-feira para falar sobre o assunto, segundo informação veiculada pela IstoÉ.

Continue Lendo

Brasil

Congresso mantém veto presidencial a porte de armas por agentes de trânsito

Publicado

em

O Congresso manteve, nesta quarta-feira (13), três vetos do presidente Michel Temer a projetos de lei. Um dos vetos mantidos foi o VET 38/2017, que impediu a concessão de porte de arma de fogo em serviço para agentes de trânsito da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Essa permissão foi concedida pelo PLC 15/2015, aprovado em setembro pelo Senado e vetado em outubro pela Presidência.

Outros dois vetos mantidos foram o VET 36/2017, que impediu a adesão por micros e pequenas empresas optantes do Simples Nacional ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), criado pela MPV 783/2017; e o VET 25/2017, parcial, à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018, com cortes em mais de 40 trechos da lei aprovada pelo Congresso em julho (leia mais aqui).

Porte de arma
Mantido, o veto 38/2017 dividiu opiniões até mesmo entre os parlamentares integrantes da chamada “bancada da bala” na Câmara. O deputado João Campos (PTB-GO) afirmou que as autoridades de trânsito são constantemente agredidas por não terem como se defender. A atividade, comparou, é congênere com as guardas municipais, que são autorizados a usá-las em serviço.

Já o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) afirmou que projeto não merecia prosperar porque, com a concessão do porte funcional aos agentes de trânsito, pequenos municípios não teriam orçamento para garantir esse uso.

– Os prefeitos não vão suportar a carga, o ônus do armamento – disse.

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) defendeu a derrubada do veto em nome do incremento à segurança pública. Ele também acusou o deputado Fraga de estar defendendo interesses corporativos com a manutenção do veto, já que a Polícia Militar é contrária ao porte por agentes.

– O que se defende é que agentes do Estado, fardados nas ruas, de fácil identificação, possam ter um instrumento de defesa pessoal e da própria sociedade. É estranho o argumento de partidos que se mostram contrários ao porte funcional de armas para agentes de trânsito e que defendem a segurança pública – lamentou Cássio.

Simples Nacional
Já o veto 36/2017 impediu a adesão por micros e pequenas empresas optantes pelo Simples Nacional ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). Criado pela Lei 13.496/2017, decorrente da Medida Provisória 783/2017, o programa, no âmbito da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda, permite o parcelamento, com descontos, de dívidas com a União, tanto de pessoas físicas quanto de empresas.

A justificativa para o veto foi a de que o Simples Nacional é regime de tributação especial instituído por lei complementar e, portanto, não pode ser alterado por meio de lei ordinária.

O veto também exclui do programa beneficiários cujas mensalidades pagas no plano de refinanciamento sejam insuficientes para amortizar a dívida parcelada.

O argumento foi o de que o Código Tributário Nacional determina que o parcelamento deve ser concedido com prazo de duração para a quitação da dívida. A não exclusão do contribuinte desses parcelamentos equivaleria à concessão de remissão da dívida.

Continue Lendo

Brasil

‘Está conversado com Maia e Eunício que reforma da Previdência fica para fevereiro’

Publicado

em

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), anunciou na tarde desta quarta-feira, 13, que a reforma da Previdência só será votada em fevereiro do próximo ano. Segundo ele, a decisão está “conversada” entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), informa reportagem de Igor Gadelha, do Estadão.

“Só vota Previdência em fevereiro. Está conversado entre o Rodrigo e o Eunício. Estamos esperando apenas o presidente (Michel Temer) chegar (de São Paulo) para fechar o acerto”, disse Jucá em rápida entrevista ao Estadão/Broadcast Político, após se reunir com Maia no gabinete na presidência da Câmara.

Jucá afirmou que o acerto é para que as duas casas votem a reforma de forma “casada”, ou seja, o Senado votará a matéria logo após a Câmara concluir a votação. A combinação era cobrada por deputados, que temiam se desgastarem votando uma matéria impopular, sem que os senadores dessem prosseguimento à matéria.

O acerto para o adiamento da análise da reforma da Previdência possibilita a votação ainda nesta semana do Orçamento da União de 2018 pelo Congresso Nacional. Jucá e Eunício trabalham para votar o Orçamento ainda nesta quarta-feira em sessão do Congresso. “Se não votar hoje não tem quórum”, disse Jucá.

Continue Lendo