Nos acompanhe

Paraíba

MPT e parceiros lançam campanha: “Com o Trabalho Infantil, o Brasil não cresce”

Publicado

em

A maioria dos presidiários no Brasil trabalhou durante a infância. E mais: 90% dos casos de trabalho escravo começam com trabalho infantil. Os dados ilustram uma campanha do Ministério Público do Trabalho (MPT) lançada nesta quarta-feira (11) – véspera do Dia da Criança – e traz, em seu slogan, um alerta: “Com o trabalho infantil, o Brasil não cresce”.
Na Paraíba, o lançamento da campanha aconteceu na sede do MPT, em João Pessoa, com a presença do procurador-chefe Carlos Eduardo de Azevedo Lima, do procurador Eduardo Varandas (titular da Coordinfância), de servidores, dos representantes da Casa Pequeno Davi (Dimas Gomes) e do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – Fepeti-PB (Maria Senharinha Soares), que são parceiros da campanha, além de autoridades e integrantes da Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente.
“Muitas vezes, as crianças vão ajudar seus pais porque eles não têm oportunidades e nem emprego. Conheço muitas crianças que trabalham por isso. O País não oferece emprego para as famílias. Acho que se a educação fosse mais valorizada não haveria tantas crianças trabalhando”, revelou a adolescente Yasmim Pereira de Lima, 15 anos, que cantou no evento de lançamento da campanha, acompanhada do seu professor, Moisés Nascimento, no violão.
Destinos transformados
Tanto Yasmim quanto Moisés são exemplos de que, quando existem oportunidades, o destino de uma criança pode ser bem diferente. Hoje, Yasmim faz teatro, música e já tem uma afinidade enorme com os palcos. Mas o seu destino começou a ser traçado há seis anos, quando foi acolhida pela Casa Pequeno Davi (ONG de João Pessoa reconhecida pelo Unicef, que desenvolve atividades socioeducativas e culturais com crianças em situação de vulnerabilidade social). Já Moisés, chegou à Casa aos 7 anos de idade. “Hoje, sou professor na Casa já há seis anos”, revela ele.
Dados – No Brasil, 2,6 milhões de crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos, estavam trabalhando em 2015, segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE. Na Paraíba, são 74 mil meninos e meninas trabalhando, de 5 a 17 anos. A Paraíba mostra também um dado preocupante: na faixa etária mais precoce (de 5 a 9 anos), havia 5 mil crianças trabalhando, segundo o IBGE.
PB é o 4º do País com mais crianças de 5 a 9 anos trabalhando
De acordo com os dados do IBGE, a Paraíba é o 4º Estado do país (empatado com Piauí, Maranhão e Rio Grande do Sul) com maior número (quantidade) de crianças, de 5 anos, 9 anos, exercendo atividades precoces: 5 mil (Pnad 2015/IBGE). Em 1º lugar – com maior número de pequenos sendo explorados pelo trabalho precoce, aparece Minas Gerais (com 15 mil crianças), em 2º a Bahia (12 mil) e em 3º o Pará (com 9 mil).
“Falta vontade política”
“A exploração do trabalho infantil ainda existe no século XXI, no Brasil, por falta de vontade política de governantes que são descompromissados com a proteção à infância concebida pela Constituição da República”, ressaltou o procurador Eduardo Varandas.

Continue Lendo

Paraíba

Prefeito de Bananeiras realiza palestra em evento em Campina Grande

Publicado

em

A sociedade esta cada vez mais certa da necessidade de rompermos com as práticas que, historicamente, conduziram o gasto público indiscriminado no Brasil. Estamos amadurecendo a visão da parceria Público-Privada como ferramenta de desenvolvimento a alcance qualitativo do resultado construtivo e no fornecimento de serviços públicos.

Com este mote o evento PPP Investindo no Futuro será realizado na sede da FIEP em Campina Grande, nesta quinta-feira (13) de 8h às 12h. Reunindo vários nomes de sucesso tanto no setor público quanto no privado, o evento visa evidenciar a parceria pública – privado como estratégia de investimento em infraestrutura e melhoria dos serviços públicos.

O Prefeito de Bananeiras na Paraíba, Douglas Lucena, será um dos debatedores do evento e evidenciará a importância que as parcerias privadas podem ter no desenvolvimento dos municípios, a exemplo do Programa de Eficiência energética que foi realizado em parceria com a Energisa, além do fomento ao turismo realizado juntamente ao setor privado da região.

Continue Lendo

Paraíba

Gervásio não descarta disputar o Senado em 2018: “Se o cavalo passar selado”

Publicado

em

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Gervásio Maia (PSB), assumiu, nesta quarta-feira (13), que aceitaria uma postulação ao Senado Federal em 2018 caso surgisse a oportunidade, e se concretizasse a permanência do governador Ricardo Coutinho no cargo até o fim do mandato. Apesar de se colocar a disposição, ele destacou que este não seria o melhor cenário, revela matéria do WSCom.

“Se o cavalo passar selado claro que ficaria feliz e montaria, mas não defendo isso, tenho que defender o sucesso do projeto, e se Ricardo deixa de ser candidato, tem que se formar uma composição, atrair mais aliados para fortalecer nossa chapa”, disse.

No processo de ampliar a base aliada, Gervásio destacou que os partidos precisam se sentir representados, e sinalizou que uma vaga na chapa para o Senado agradaria aos políticos do quadro girassol.

“O caminho seria construir fortalecimento. Estamos num arco de aliança e eles precisam estar no projeto”, finalizou.

As declarações foram concecidas durante entrevista à Correio Fm.

Continue Lendo

Paraíba

MPPB aponta erro em internação e investiga morte no Juliano Moreira

Publicado

em

O Ministério Público da Paraíba, por meio da Promotoria da Saúde, investiga a morte do empresário Jonathan do Vale Ribeiro, de 24 anos, dentro do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa, ocorrida nesse último final de semana.

De acordo com reportagem de Wallison Bezerra, do Portal MaisPB, a promotora Maria das Graças afirmou que já notificou a unidade para saber o que teria motivado a morte do interno.

“Nós começamos a investigação, inclusive comunicando ao Conselho Regional de Medicina para saber se foi erro e vamos aguardar o resultado do laudo e ver o que ele vai dizer”, pontuou.

Segundo a promotora, há suspeitas de que o Juliano Moreira esteja descumprindo a Lei Antimanicomial, que estabelece diretrizes para tratamento dos pacientes com problemas mentais, no momento da internação da vítima. Para a promotora, o paciente teria sido agredido já no momento da internação. “Foram três pessoas para fazer a contenção dele”, declarou.

Ao decorrer da investigação, a direção da unidade e a equipe médica que atendeu paciente serão ouvidas. Caso seja apontado algum erro, a promotora garantiu que os culpados serão punidos.

Relembre o caso

O empresário Jonathan do Vale Ribeiro havia sido internado no Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira na semana passada apresentando sinais de inquietação e desorientação.

No sábado (09), ele foi encontrado morto na sala de observação, onde estava com outros três pacientes. Conforme a direção da unidade, não havia qualquer tumulto ou quadro que indicasse confronto entre os pacientes.

A delegacia de Homicídios da Capital abriu uma investigação para apurar o acontecimento. A suspeita é de que ele tenha sido agredido e morto por asfixia.

A instituição, por sua vez, abriu uma sindicância para apurar o caso. Dois servidores que estavam de plantão na noite em que o paciente morreu já foram interrogados.

Continue Lendo